O verdadeiro amor mais faz do que sente ou fala

O verdadeiro amor mais faz do que sente ou fala

Atualizado: Sexta-feira, 28 Junho de 2013 as 10:36

amorVivemos na era dos relacionamentos descartáveis e da fragilidade das relações afetivas. Neste contexto, gerou-se o amor moderno, bem visível nos scripts de filmes e novelas. Injustamente relegado ao sentimentalismo enganoso e ao desejo sexual das aparências.
 
Amar se tornou um acordo comercial, uma relação de permuta, de troca, de barganha, entre partes interessadas e ensimesmadas. É o amor mercadológico que sempre espera do outro aquilo que é o seu dever. É o amor que busca receber antes de querer doar. É autocentrado, egoísta e perverso. 
 
Para esta sociedade, Jesus tem o novo paradigma. Mas você deve estar se perguntando: por que novo? E as leis cujo foco era mostrar nosso dever para com o próximo, ou seja, o de amá-lo? 
 
O novo mandamento ensinado por Jesus não se limitou à ordem de amar, mas ao padrão desse amor: “como eu vos amei”. Ele nos amou e morreu por nós quando ainda éramos inimigos de Deus (Rm 5:10). 
 
O amor de Cristo não esperou respostas prévias, deu o exemplo para depois recebê-las como forma de gratidão. É um amor de decisão. É dar ao outro aquilo que ele precisa, não o que ele merece.
 
PENSE: O verdadeiro amor mais faz do que sente ou fala.
 
“Novo mandamento vos dou [...] assim como eu vos amei, que também vos ameis uns aos outros” João 13:34
 
 
- Giuliano Letieri Coccaro
via Cada Dia

veja também