"O verdadeiro chamado de Jesus" é tema de ministração de Sinvaldo Coelho em reunião da CIP

"O verdadeiro chamado de Jesus" é tema de ministração de Sinvaldo Coelho em reunião da CIP

Atualizado: Sexta-feira, 3 Outubro de 2008 as 12

Por Adriana Amorim

Aconteceu nesta segunda-feira, dia 29 de setembro, às 20 horas, no MENAC - Ministério Evangélico Nova Aliança em Cristo, a reunião mensal da CIP -  Comunhão de Igrejas e Pastores . O grupo é formado por aproximadamente 80 pastores de 30 igrejas da Zona Leste de São Paulo. O encontro iniciou com louvor e com o testemunho do radialista César Augusto, que sobreviveu a um grave acidente. Para a ministração, o convidado Sinvaldo Coelho, bispo da igreja Metodista Wesleyana e superintendente da denominação na Europa, trouxe a palavra da noite que, segundo ele, não deveria ser de exortação, mas de reflexão.

Sinvaldo, que atualmente vive e ministra em Portugal, expôs a decadência do evangelho europeu. Para ele, é errado imaginar uma Europa cristã e evangelizada: "Teoricamente ela é, mas não é um cristianismo vivo, é um cristianismo morto, de fachada, é um cristianismo nominal. As igrejas de um modo geral, principalmente as antigas, que não são de imigrantes, são igrejas pequenas, fracas [...] E você não encontra igreja com facilidade como no Brasil, é muito raro você chegar na cidade e ver igrejas, são igrejas subterrâneas, são igrejas escondidas. E a maioria das boas igrejas são de imigrantes latinos, brasileiros, africanos e de outros países. A Europa na realidade carece da glória de Deus, carece da pregação, de um reavivamento [...] Estive falando com um pastor da Inglaterra que me disse que se Deus não operar um milagre em 20 anos não haverá mais igrejas evangélicas lá. As igrejas estão sendo vendidas para bares, discotecas, construtoras". Sinvaldo citou informação da Aliança Evangélica Portuguesa, que aponta que, em Portugal a população estimada é de 10 milhões de habitantes, mas apenas 80 mil são evangélicos. "Na Espanha nem um 1% da população é evangélica e na Suiça entre 1,5 e 2%", afirmou Sinvaldo.

Para o bispo, a situação do evangelho na Europa é "semelhante as sete cartas às igrejas, um protestantismo secularizado" e países que iniciaram o protestantismo precisam hoje de evangelização: "[...] a Suiça de Calvino, a Inglaterra de Wesley, de Whitefield, a Alemanha de Martin Lutero e todos reformadores que estudamos são países de protestantismo muito forte, lá o governo é que paga o pastor, que ganha muito bem nesses lugares. Então o que acontece? O governo paga porque o dízimo é retirado na fonte. O funcionário quando declara que é protestante, se não disser qual igreja pertence, eles consideram que ele é da igreja do Estado, que pode ser a reformada, a luterana. O dízimo é retirado e o governo mantem as igrejas. Então, qualquer que fizer o curso de ciência da religião pode ser pastor, então não são pessoas chamadas, mas elas vão ser pastores por causa da grana. Lá na Suiça um pastor ganha 6 mil euros".

Sinvaldo demonstrou preocupação também com o crescimento do número de evangélicos no Brasil, com a programação da grande mídia e a pregação de muitos pastores que abordam apenas temas bíblicos de cura, milagre e prosperidade financeira. Para o bispo, "uma pregação que entroniza o homem, que passa a ser o centro da ministração, que atende as suas necessidades". "Chega a ser um sensacionalismo cristão", expõe.

Sinvaldo chamou a atenção para o papel do pregador na formação dos discípulos: "Você decide a vida do membro com o que prega. Não adianta pregar uma mensagem que ele não vive, porque o mesmo espírito de Deus que há no pregador há nas ovelhas [...] Então, ele tem que passar a verdade do evangelho, tem que passar todos os conselhos da palavra de Deus. O que acontece é que alguns pregadores estão passando apenas alguns conselhos da palavra de Deus. Por exemplo, os conselhos da prosperidade são passados, os conselhos de um Deus que cura, que faz milagres, mas o conselho daquele Deus que exige entrega total não está sendo passado, de um Deus que exige renúncia. 'Renegue-se a si mesmo e siga-me' não está sendo passado, o conselho de um Deus que diz que no mundo tereis aflições, que diz que os profetas, os homens de Deus, os cristãos, seriam perseguidos não está sendo passado. A igreja não está sendo preparada para todo o conselho da palavra de Deus e se vier uma perseguição sobre ela não estará preparada".

Um dos tópicos da pregação foi "O verdadeiro chamado de Jesus". Sinvaldo citou Lucas 14.14 diz: "E serás bem-aventurado; porque eles não têm com que to recompensar; mas recompensado te será na ressurreição dos justos". O pregador falou que o discípulo não deve esperar grandes recompensas, mas por "uma vida de entrega total". Para Dario Mariani, líder do MENAC, a ministração de Sinvaldo está em concordância com o que é pregado em seu ministério: "[...] Muito daquilo que ele tem falado é o que nós temos transmitido aqui na igreja, principalmente por não visarmos só o sucesso dos números, tanto na questão material e financeira, quanto na questão da quantidade de pessoas, mas principalmente a fidelidade em honrar o chamado que Deus nos deu. Essa tem sido a minha visão, nisto esta ministração foi uma grande benção, uma outra lição que eu estou guardando em meu coração para ser fiel a este chamado".

O evento terminou com um café. Sérgio da Silva, vice-presidente da CIP (Comunhão de Igrejas e Pastores), apontou que eventos como esse contribuem para o "pastoreio de pastores". Sérgio é pastor da Igreja Unida, na Vila Bancária (Zona Leste), ele explica que o propósito do grupo é promover a comunhão e o apoio entre as igrejas, como assessoria musical e jurídica.

veja também