Oficial iraniano condena igrejas domésticas por receber ajuda

Oficial iraniano condena igrejas domésticas por receber ajuda

Atualizado: Sexta-feira, 1 Julho de 2011 as 1:12

Dando continuidade a 30 anos de hábito do Estado de criar paranoias infundadas, um funcionário do governo atacou os cristãos, dizendo que igrejas domésticas no Irã estavam recebendo aproximadamente US$50.000 todo ano de organizações estrangeiras.

De acordo com as notícias da agência iraniana crist㠓Mohabat News” e baseado em uma reportagem da “Hozeh News”, fonte da mídia afiliada ao centro teológico em Qum, o diretor geral de estudos religiosos comparativos do centro xiita alegou que os inimigos do Islã estavam alocando massivos fundos para alcançar seus objetivos e prover assistência financeira de aproximadamente 50.000 dólares por ano para algumas igrejas domésticas, que frequentemente têm apenas 15 a 20 membros.

Hojatoleslam Tarashioon estava falando no Seminário Mehdi, em Qom (uma das cidades mais religiosas do Irã). Mesmo não tendo mencionado nada sobre quem eram esses inimigos e mantendo um hábito de 30 anos de criar paranoia sobre esses chamados “inimigos estrangeiros”, ele não só atacou o movimento de igrejas domésticas cristãs, mas também a Fé Baha”i, alertando que “este culto nos últimos anos se tornou ativo e hoje eles trabalham sob o pretexto de centros culturais e educacionais, tendo expandido suas atividades em muitas províncias”.

Confrontando as igrejas domésticas Algumas igrejas são basicamente o conjunto de grupos que cresceram organicamente e, devido ao seu rápido crescimento, não existe nenhuma estatística oficial disponível sobre eles. Então, é impossível fornecer qualquer forma de ajuda financeira para ajudar esses grupos. Por exemplo, a Rede de Notícias Javan (uma das agências de notícias da Guarda Revolucionária Iraniana) publicou que, em 2010, existiam mais de 200 igrejas domésticas na cidade sagrada de Mashhad.

Com a sempre crescente pressão e as prisões efetuadas pelos oficiais de segurança, por um lado, as pessoas que se convertem de outras religiões para o cristianismo não têm possibilidade de participar de cultos em igrejas localizadas em prédios; por outro lado, com a vigilância constante de todos os prédios de igrejas pelos agentes de segurança, essas pessoas preferem se encontrar em casas particulares para cultuar e aprender mais sobre a fé cristã. As pessoas que usam suas casas como locais de culto não têm posição política, simplesmente se concentram em ensinar a Bíblia e cultuar.

Líderes do governo islâmico iraniano estão usando fundos nacionais do país para promover a versão xiita do Islã no Líbano, Norte da África e em países sunitas do Golfo Pérsico. As quantias gastas para construir mesquitas e financiar assistência a missionários islâmicos em vários países da Europa nunca receberam cobertura da mídia. Isto contrasta com o fato de cristãos não terem permissão de construir igrejas em nenhum país islâmico, especialmente no Irã, ou mesmo falar publicamente sobre o cristianismo com outras pessoas. Finalmente, deve-se perguntar: em um país onde o governo está envolvido com prática de magia e previsão da sorte, esses líderes realmente têm o direito de expressar opiniões sobre outras crenças?

Com informações de Portas Abertas

veja também