"Onde já se viu usar o nome de Deus em algo tão venal como as notas de dinheiro sujo?", indaga colunista do JC

Onde já se viu usar o nome de Deus em algo tão venal como as notas de dinheiro?

Atualizado: Sexta-feira, 14 Dezembro de 2012 as 10:06

 

No dia 30 de novembro, a 7ª Vara da Justiça negou o pedido de retirada da frase 'Deus Seja Louvado' do papel-moeda nacional.
 
O pedido foi feito pelo Ministério Público de São Paulo, mediante acusação feita por procurador Jefferson Aparecido Dias.
 
Diversas pessoas se manifestaram a favor de que a frase continue nas cédulas, mas também há quem defenda sua retirada, não por defesa de um estado laico, mas alegando tudo de ruim que o dinheiro envolve.
 
Alberto Consolado, colunista do JC - Jornal da Cidade, publicou um texto em que afirma que o dinheiro é o lugar mais inadequado para levar o nome de Deus. Confira:
 
 
 
"O mundo religioso há muito tempo deveria ter acionado o Ministério Público Federal para entrar com medidas contra o governo federal, mais especificamente contra a Casa da Moeda e o Banco Central, para retirar das cédulas do nosso dinheiro qualquer referência a Deus. Onde já se viu usar o nome de Deus em algo tão venal como as notas de dinheiro sujo, contaminado e disputado sem o menor pudor a ponto de ferir quase todos os mandamentos. O dinheiro compra moral, sexo e consciências, leva a guerra e financia o crime. 
 
Quantas mães não ensinam as crianças: quando pegar em dinheiro, antes de comer ou esfregar a boca ou os olhos, lave bem as mãos, pois o dinheiro é muito sujo e ninguém sabe por onde passou! Sempre o dinheiro está contaminado, física ou virtualmente. Usar o nome de Deus em cédulas é ferir o mandamento em que se diz: não usarás o nome de Deus em vão! Qualquer catequese ou escola religiosa ensina este mandamento como um dos primeiros às criancinhas. Qual é a coisa mais vã que o dinheiro! Não seria o dinheiro o que se chama de vil metal.
 
Se existe um lugar inadequado para se colocar o nome Deus são as cédulas de dinheiro, mas alguns religiosos estão pressionando para que não seja removida a frase “Deus seja louvado” das notas do real, como está solicitando o Ministério Público Federal. A não ser que a ideia original de se colocar esta frase tenha o objetivo da ironia. Quando as pessoas olham para as cédulas geralmente é para contar ou conferir que são falsas. Ninguém fica lendo o que está escrito nas cédulas. E quando o Sílvio Santos mande seus aviões de dinheiro para a plateia, lá está voando o nome Deus: quem quer dinheiro! E quando se paga a droga e a prostituição lá se vão a frase “Deus seja louvado”. Já pensou pacotinhos de droga em papel com esta frase.
 
Muita gente sabe que a figa representa um amuleto de sorte, mas ignora o real significado. Quando se olha a figa de frente, o dedão representa o olho e o indicador e dedo médio, as pálpebras. Isto mesmo, a figa faz um olho, símbolo maior de que Deus está onipresente observando tudo e todos ao mesmo tempo. Além da frase “ In God we trust”, no dólar também temos este olho em cima da pirâmide maçônica. Por mais religioso que seja, responda: tem algo mais inadequado que colocar o nome de Deus em notas de dinheiro. Quem usa colocar nomes e bustos em dinheiro era, e ainda são, os reis, imperadores e ditadores!
 
Da mesma maneira, isto poderá ser sido questionado no nível municipal em Bauru. Todos nós sabemos, e cada vez mais sabemos, como se faz a política partidária! Não é um mundo de sinceridade, franqueza, ética a qualquer custo e muito menos de coerência e plena honestidade. Há todo um contexto de articulações, tratos e destratos, jogo de interesses e muita hipocrisia e cinismo. Aliás, seria muita hipocrisia e cinismo não reconhecer isto. Antes de começar uma sessão na Câmara Municipal se faz a leitura de um versículo ou mensagem bíblica, evocando-se a figura de Deus. Seria este recinto e atividade a mais apropriada para ser precedida pela evocação de Deus, sabendo-se o que vai acontecer depois destas palavras iniciais? Não seria usar o nome de Deus em vão? É começar a sessão pecando. Eu, heim!"
 

veja também