Organização de Direitos Humanos exige reconhecimento do casamento gay na América Latina

Além do apoio é exigido que os casais homossexuais tenham os mesmos direitos que os heterossexuais.

fonte: Guiame, com informações da AFP e Acontecer Cristiano

Atualizado: Segunda-feira, 15 Janeiro de 2018 as 1:07

Foi reconhecido também o benefício de que os casais de mesmo sexo tenham os direitos que são concedidos aos heterossexuais. (Foto: Reprodução).
Foi reconhecido também o benefício de que os casais de mesmo sexo tenham os direitos que são concedidos aos heterossexuais. (Foto: Reprodução).

Na última terça-feira (9) a Corte Interamericana de Direitos Humanos (CorteIDH) apoiou o reconhecimento do casamento homossexual e o benefício de que os casais de mesmo sexo tenham os direitos que são concedidos aos heterossexuais. Foi emitido pelo tribunal uma recomendação como resposta a uma consulta da Costa Rica sobre o tema.

A consulta aponta que a orientação sexual e a identidade de gênero são categorias protegidas pela Convenção Americana dos Direitos Humanos. Aqui no Brasil, esse documento também é signatário.

Com sua sede em San José da Costa Rica, a Corte Interamericana resolveu que "todos os direitos patrimoniais que derivam do vínculo familiar de casais do mesmo sexo devem ser protegidos sem discriminação alguma em relação aos casais heterossexuais".

Além de exigir que os países latino-americanos garantam o casamento gay em seus países, afirmando que os estados devem "reconhecer e garantir todos os direitos derivados de uma vínculo familiar entre pessoas do mesmo sexo", há uma outra preocupação. Para o pastor da igreja Vida Abundante em Honduras, Evelio Reyes, a união do mesmo sexo é "uma arma diabólica" e uma ameaça ao casamento tradicional no mundo.

"Para o nosso país e para o mundo inteiro é uma ameaça, é uma arma diabólica para destruir a sociedade, nossas instituições, a vida boa, a moral, os costumes que herdamos de nossos antepassados", disse ele, depois de participar de um dia de oração em Tegucigalpa.

Evelio ainda salienta que o pedido faz parte de uma "agenda diabólica e distorcida", que visa "destruir as coisas mais valiosas da sociedade, do casamento e da família". Ele comenta: "É uma maldição, uma aberração e uma invenção do próprio inferno. É um ataque à família que é o alicerce da sociedade", ressaltou.

Ele também pediu ao governo que não desista e mantenha a Constituição inalterada, que só reconhece o casamento heterossexual. Ele concluiu com um apelo aos cristãos de Honduras: "Vamos orar, vamos agir, vamos estar vigilantes contra este projeto, patrocinado por grandes líderes e organizações internacionais, formados por pessoas depravadas".

veja também