Os planos de Deus são muitos e Ele cumpre as promessas que faz

Os planos de Deus são muitos e Ele cumpre as promessas que faz

Atualizado: Quinta-feira, 10 Outubro de 2013 as 1:58

Abraão e SaraDeus havia prometido a Abrão uma terra repleta de leite e mel, assim como descendentes tão numerosos quanto as estrelas do firmamento. A fé de Abrão nunca se abala.
 
Ele faz imediatamente tudo o que Deus ordena. Acredita Nele e em Suas promessas do fundo do coração. Porém, está frustrado com o “cronograma” de Deus. Sua barba já está quase toda grisalha.
 
Quando Sarai lhe dará um filho homem? Ou mesmo uma filha? Apesar da idade, Sarai ainda conserva uma beleza incomparável – uma verdadeira princesa.
 
As constantes tentativas de terem um filho fazem do estilo de vida nômade uma aventura ainda maior, mas a ideia de que Abrão será de fato o pai de muitas nações parece impossível.
 
Sozinho na noite fria do deserto, Abrão ergue os olhos para o céu. Uma fogueira arde até as últimas brasas. O vento chacoalha a tenda atrás dele, onde Sarai treme enquanto dorme. Ele pensa nos homens mortos em batalha durante o resgate de Ló e na inutilidade de suas mortes.
 
– Abrão – sussurra Sarai, ainda trêmula ao surgir de dentro da tenda. A luz do fogo ilumina seu rosto. Ela está envolvida em uma manta feita de um tecido grosso, que a protege do vento. Porém, mesmo coberta desse jeito, sua beleza deixa Abrão sem fôlego. – Entre – diz ela com carinho, segurando a aba da tenda aberta.
 
Abrão também está tremendo. Ele vê o interior da tenda, a cama deles, tão quente e segura. Mas, em vez de aceitar o convite, dá as costas para a esposa. Tornando a erguer os olhos para o céu, reflete sobre a enormidade do Universo acima de si, com seus milhões de estrelas, como se compreendesse pela primeira vez a imensidão da criação de Deus.
 
Então ele cai.
 
– Abrão! – grita Sarai, correndo até ele. Quando olha dentro dos seus olhos, vê apenas sua profunda crença nas promessas divinas.
 
– Todas essas estrelas… Conte-as! Conte-as! – exclama ele.A_biblia
 
Sarai segura a cabeça de Abrão, temendo que seu amado marido esteja enlouquecendo. Ela acaricia sua barba tentando acalmá-lo.
 
– Nosso Criador, que fez as estrelas, nos dará essa quantidade imensa de descendentes! – diz ele com fé inabalável, lembrando a si mesmo e a Sarai do que Deus lhe prometera. A chama nos olhos de Abrão fica mais forte à medida que sua revelação se desdobra.
 
– Para povoar a nossa terra! Para nós! E para nossos filhos!
 
Agora é a vez de Sarai parecer abatida.
 
– Há quanto tempo oramos por filhos?
 
Ele não responde.
 
Ela olha bem fundo nos olhos de Abrão e diz três palavras muito duras:
 
– Eu. Sou. Infértil.
 
– Mas Ele prometeu! Você terá um filho! Terá, sim!
 
Ela balança a cabeça.
 
– Não posso. E não terei. Não há a menor chance de eu conceber uma criança.
 
Eles se encaram por alguns instantes. O silêncio é ensurdecedor. Por fim, Sarai fala devagar, com brandura e ponderação.
 
– É tarde demais para mim, mas você é homem. Para você, ainda há uma chance. – Sarai morde o lábio. Ela puxa o marido para mais perto de si.
 
– Os planos de Deus são muitos e Ele sempre cumpre as promessas que faz… mas à Sua maneira. Quem somos nós para dizer como os planos Dele se concretizarão?
 
– Do que está falando?
 
– Estou falando que Deus lhe prometeu que você seria pai. Não que euseria a mulher que carregaria seus filhos.
 
Sarai meneia a cabeça em direção a tenda de Hagar, a bela serva egípcia.
 
A luz de uma vela tremula lá dentro.
 
– Vá até ela, Abrão – fala Sarai. – Você tem minha permissão.
 
Abrão olha para sua esposa, incrédulo.
 
– Não – diz ele com firmeza. – Não. Não. Não.
 
Sarai assente, com uma expressão resignada no rosto.
 
– Sim – diz ela, beijando-o com ternura. – É o que deve fazer.
 
Abrão se sente dividido. Sempre fora fiel a Sarai, acreditando ser o desejo de Deus que ele não se deitasse com nenhuma outra mulher. Já havia notado a beleza de Hagar, mas nunca se imaginara dormindo com ela.
 
Sarai não consegue olhar para o marido enquanto o empurra com delicadeza em direção à tenda.
 
– Você precisa de um herdeiro – diz ela baixinho. – Deus lhe prometeu um filho. Agora vá.
 
Abrão puxa o rosto de Sarai para si, beija-a na boca e cola o corpo dela ao seu para que ela tenha certeza de que é seu verdadeiro amor. Então se levanta devagar e se encaminha para a tenda de Hagar. A tenda é pequena, em conformidade com seu status social, a lona não é tão lustrosa ou resistente quanto a deles. Ela vem de uma terra diferente, com deuses diferentes.
 
Abrão não conhece os caminhos de Deus. Talvez Ele queira que Abrão se una a outras nações ao gerar uma criança mestiça e cujos descendentes representarão a mistura de duas tradições religiosas diferentes. Ele afasta a aba da tenda de Hagar e entra.
 
A bela e estéril Sarai se senta diante do fogo. Uma lágrima rola devagar pelo seu rosto enquanto ela observa as chamas.
 
 
Fonte: A Bíblia: A história de Deus e de todos nós
 

veja também