Para Analice Gigliotti, o ideal é que haja um tratamento laico

Psiquiatra condena clínicas de recuperação religiosa

Atualizado: Quinta-feira, 17 Maio de 2012 as 9:17

A psiquiatra Analice Gigliotti, vice-presidente da Associação Brasileira de Estudos do Álcool e Outras Drogas, lamentou que quatro das sete clínicas de tratamento de dependentes selecionadas pelo governo do Rio de Janeiro tenham vínculos religiosos. 

Para ela, esses estabelecimentos são “questionáveis” porque misturam fundamentos da ciência médica com dogmas de crenças religiosas. 

“O ideal é que o centro de recuperação seja laico”, disse ela ao jornal “O Dia”. Afirmou que, no caso de o paciente ser ateu, o impulso dele será abandonar o tratamento. 

Conforme noticiado também no Paulopes Weblog, Analice falou que não há clínicas privadas e muito menos públicas suficientes para o internamento desses pacientes. São tantas pessoas que, disse, “o governo não sabe onde colocar essas pessoas.” 

Por isso, segundo a psiquiatra, surgiram as comunidades terapêuticas — entre elas as religiosas —, que são uma forma econômica de tratar dependentes químicos, mas não é a mais recomendável. 


veja também