Para coordenador da campanha, crise religiosa ajudou na "derrota" de Dilma no MT

Para coordenador da campanha, crise religiosa ajudou na "derrota" de Dilma no MT

Atualizado: Segunda-feira, 1 Novembro de 2010 as 7:41

O PSDB assim como fez no primeiro turno eleitoral venceu o PT em Mato Grosso e manteve a preferência da maioria dos eleitores neste domingo ao candidato a Presidente José Serra. Apesar da ex-ministra ter vencido nos principais colégios eleitorais como Cuiabá, Várzea Grande e Rondonópolis, o grupo político ligado ao governador Silval Barbosa (PMDB) não conseguiu evitar a derrota da candidata.

O coordenador da campanha Pró-Dilma no Estado, Luiz Antônio Pagot, que também é diretor-geral do Departamento Nacional de Infraestrutura (DNIT), garantiu que "quem perde tem que avaliar os motivos".

Ele disse que vai se reunir com a base aliada e até com o governador para analisar os fatores que garantiram a vitória tucana. Demonstrando descontentamento, Pagot aproveitou para apontar que a crise instalada no meio dos evangélicos e católicos gerou resistência ao nome de Dilma.

"Essa situação não ficou muito bem explicada. Apesar das cartas enviadas pelas igrejas e das declarações dadas, a situação não foi esclarecida e perdemos com isso", frisou.

O coordenador cita ainda que Mato Grosso possui mais de 200 mil evangélicos e que a maioria se manteve neutra no segundo turno por se sentir confusa com as denúncias de que a candidata era favorável ao aborto e ao casamento homossexual.

Outro fator mencionado se refere às ações da Policia Federal que atingiram madeireiros e os problemas com a questão ambiental. A operação Jurupari, por exemplo, contou com 90 mandados de prisão expedidos contra engenheiros, empresários e assessores.

O licenciamento ambiental  comandado pela secretaria estadual de Meio Ambiente (Sema) também seria travado, segundo ele, pela burocracia. Já outro ponto é quanto ao trabalho escravo cuja estatística revela alto índice no Estado.

"A classe ruralista estava determinada a votar no Serra porque se sente atingida pela falta de política pública. Isso terá que ser revisto", finalizou.

Com 100% das urnas apuradas pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MT), Serra contabilizou 51,11% dos votos válidos enquanto a adversária Dilma contou com 48,89%.

No primeiro turno, Serra foi o mais votado com 678,6 mil votos (44,16%) e a petista recebeu 659,7 mil votos (42,94%).

veja também