Para o fundador do Instituto de Pesquisas Religiosas crescimento das igrejas inclusivas foi superestimado

Apologista contesta reportagem da BBC Brasil

Atualizado: Quarta-feira, 2 Maio de 2012 as 10:13

Ao Christian Post o fundador do Instituto de Pesquisas Religiosas (INPR), Johnny Bernardo, contesta os números. revelados pela BBC Brasil em reportagem sobre as igreja inclusivas no Brasil,  em uma breve análise disponível em seu site.

Em matéria publicada pela BBC Brasil sobre o crescimento das igrejas inclusivas no Brasil, intitulada “Desafiando preconceito, cresce número de igrejas inclusivas no Brasil”, o número de congregações de igrejas existentes são dez e o número de atendentes somem 10 mil.

Em entrevista ao The Christian Post, o pesquisador e apologista explicou sobre o exagero nos números e como chegou a essa conclusão.

Leia Mais:

Igrejas voltadas predominantemente para o público gay crescem no Brasil

Travesti diz que igreja inclusiva lhe dá "liberdade"

 

Ele aponta ainda, outras igrejas de menor expressão, como a Comunidade Cristã Refúgio (CCR), possui em torno de 400 membros, que inclui os da sede, em São Paulo somado ao um grupo que está em formação no Paraná; e a Igreja Mel, na qual, segundo sua pesquisa, não deve passar de 300 membros. Sem valor estatístico, ele afirma, há ainda ainda pequenos grupos (células) presentes em estados como Rio G. do Sul, Paraná, São Paulo etc. não filiadas a uma denominação oficial.

Segundo ele, as “igrejas inclusivas” passam a ideia de que as igrejas evangélicas não são simpáticas ao movimento LGBT, exigindo que os novos convertidos passem por tratamento psicológico.

O também apologista e pastor João Flávio Martinez afirmou recentemente ao CP que a atitude dessas igrejas “inclusivas” não é de inclusão, mas de “apostasia e desrespeito” ao corpo de Cristo. Ele defende que as igrejas tem que amar e receber a todos, mas não perder a firmeza e a convicção. “Cristo ama o pecador, mas não aceita o pecado”, afirmou ele ao CP.

veja também