Pastor alerta cristãos sobre igrejas doentes: “Ignoram a membresia e a disciplina”

Kevin DeYoung apresentou algumas 'marcas' que são manifestadas em congregações que se distanciaram de Deus.

fonte: Guiame, com informações do Voltemos ao Evangelho

Atualizado: Domingo, 18 Março de 2018 as 9:38

Kevin DeYoung é o pastor principal da University Reformed Church, em Michigan (EUA). (Foto: Reprodução).
Kevin DeYoung é o pastor principal da University Reformed Church, em Michigan (EUA). (Foto: Reprodução).

Você saberia dizer se sua igreja está “doente”? O autor Mark Dever já elencou em um livro fatores que nos mostram uma Igreja saudável. É importante relembrar os elementos necessários para que a congregação esteja concentrada nas Escrituras. Mas, quais seriam os fatores que levam uma igreja a adoecer?

Poderia ser simplesmente o oposto de tudo aquilo que compõe uma igreja saudável, de maneira que uma igreja doente ignora a membresia, a disciplina, a pregação expositiva e todo o resto. Mas os sinais de doença na igreja nem sempre são tão óbvios. É possível que uma igreja ensine e entenda todas as coisas certas e, ainda assim, seja um lugar terrivelmente doente.

O pastor, e também escritor, Kevin DeYoung se aproveitou do assunto para elencar algumas “marcas” de uma igreja que se tornou disfuncional e enferma.

1) Quanto mais periférico o tópico do sermão, mais entusiasmadas as pessoas ficam.

“Uma das coisas que sempre adorei na nossa igreja é que os sermões que as pessoas mais amam são aqueles que lidam com os temas mais centrais da Bíblia. Elas amam ouvir a respeito do pecado e da salvação, sobre a glória de Deus, sobre a providência, sobre Cristo e a cruz. Não é que eles nunca ouçam (ou tenham aversão a) sermões sobre o fim dos tempos ou questões sociais ou mordomia financeira ou casamento ou paternidade e maternidade, mas elas parecem mais apaixonadas pelas mensagens que se concentram mais em culpa, graça e gratidão”.

“Eu fico preocupado quando uma congregação se cansa de ouvir sobre a Trindade, a expiação, o novo nascimento ou a ressurreição e quer ouvir outra longa série sobre como lidar com o estresse ou as 70 semanas em Daniel”.

2) Os funcionários da igreja não tem prazer em trabalhar.

“Todo trabalho tem seus altos e baixos. Todo ofício terá tensão de vez em quando. Mas a liderança deve observar quando os funcionários parecem mal-humorados, infelizes e têm que se arrastar para a igreja a cada dia. Os funcionários da sua igreja desfrutam da presença uns dos outros? Eles conversam entre si como amigos no salão da comunhão? Você os vê rindo juntos? Se não, pode haver estresse em andamento, ou conflito, ou algo pior”.

3) O pastor e a sua esposa não se dão bem.

“Não estou falando das desavenças corriqueiras e dos períodos difíceis pelos quais todo casal passa. Estou falando de um casamento que esfriou e perdeu o amor, um relacionamento superficial e carente de paixão. Toda igreja deveria ter algum mecanismo preparado para perguntar ao pastor e à sua esposa como vai (ou não) o casamento”.

“Igrejas podem sobreviver a muitos conflitos, mas raramente serão lugares felizes e saudáveis se o pastor e a sua esposa estão secreta ou abertamente infelizes e doentes”.

4) Quase ninguém sabe para onde vai o dinheiro.

“Igrejas lidam com suas finanças de diferentes maneiras. Conforme as igrejas crescem, pode ser mais difícil (ou até insensato) que todos tenham voz na alocação de cada centavo. Ainda assim, quando se trata de finanças, exagerar para o lado da transparência raramente é uma má ideia. No mínimo, deve haver mais do que um pequeno grupo de pessoas que saiba (e tenha voz sobre) para onde vai o dinheiro. Não faça do salário do pastor uma questão de segurança nacional”.

5) A pregação se torna errática.

“Isso pode ter muitas formas. Talvez o pastor não compartilhe mais o púlpito com outros membros e o ocasional convidado de fora. Talvez o oposto esteja acontecendo, e o pastor pareça estar chamando substitutos mais frequentemente do que o contrário”.

“Talvez a pregação tenha se tornado mais virulenta, ou sempre martele no mesmo tema, ou mostre sinais de pouca preparação. Talvez você tenha notado que o pregador está contando mais com vídeos ou esboços que não são de sua autoria, ou constantemente reutiliza material de poucos anos atrás. Ninguém quer que a pregação seja enfadonha. Alguma variação deve ser esperada e bem vinda. Mas preste atenção se o pregador parece doutrinariamente instável, irritável ou exausto”.

veja também