Pastor analisa se protestos no Egito teriam sidos previstos na Bíblia

Pastor analisa se protestos no Egito teriam sidos previstos na Bíblia

Atualizado: Terça-feira, 15 Fevereiro de 2011 as 4:25

Kenneth Boa, presidente do Reflections Ministries em Atlanta e autor de vários livros, incluindo Conformed to His Image, recentemente falou ao The Christian Post sobre sua experiência no Egito, e os seus pensamentos sobre a agitação civil e os sinais do fim dos tempos.

CP: Eu entendo que você estava no Egito, recentemente, durante esta revolução. Conte-nos sobre isso.

Boa: Minha esposa e eu estávamos em um cruzeiro pelo rio Nilo e fomos levadas de avião de volta para o Cairo na noite de segunda-feira, 31 jan. A revolta começou em 25 de janeiro, por isso era um bocado perigoso. Chegamos após o toque de recolher e nosso ônibus teve que passar por vários postos de fiscalização com guardas armados e grupos de vigilantes. Conseguimos chegar ao hotel naquela noite e pudemos voar no dia seguinte só porque s Viking River Cruises fretou um avião para os seus clientes. Sabíamos que muitas pessoas estavam orando por nós e, sobrenaturalmente, nem minha mulher nem tive qualquer sentimento de ansiedade.

CP: Quais são seus pensamentos sobre como o Egito se relaciona com a profecia bíblica? Boa: Eu quero ser cuidadoso para não me envolver no exegero jornalístico – você sabe, isso é o que diz o jornal, e aqui é o que diz a Bíblia. Há muitas surpresas. Mas, tendo dito isso, acredito que o Egito é importante para os propósitos e os planos de Deus. Estou impressionado com a conexão do Egito com Israel. Quando Abraão, que era então Abrão, foi para o Egito, em Gênesis 12, ele mais do que provavelmente viu as pirâmides no planalto de Gizé, que eu e você podemos ver hoje. A Grande Pirâmide de Quéops, com seus 2,3 milhões de blocos de pedra, pesando cada uma cerca de 2,5 toneladas, já tinha sido construida há 500 anos. Um feito incrível. José subiria para o Egito, e como você sabe, encontraria o favor de um faraó lá. Em seguida, a opressão que teve lugar durante 400 anos até Moisés ter se levantado. De acordo com Moisés, o Egito foi usado por Deus como uma mãe que deu à luz a uma nação, era o útero no qual 70 crianças de Israel entraram, e após 400 anos de gestação, cerca de 2,5 milhões partiram. E eles nasceram através da água e do sangue (o Êxodo e a Páscoa). Muito interessante as imagens lá – o nascimento através da separação das águas do Mar Vermelho. Nosso Senhor Jesus foi para o Egito. Mateus, em seu evangelho, cita Oséias 11:1, “Do Egito chamei meu filho”, e aplica isso de forma messiânica. Portanto, há uma ligação muito direta, muito rica entre essas nações.

CP: Quais são seus pensamentos sobre a revolta em curso no Egito agora? Boa: Há uma enorme incerteza quanto ao que essa revolução vai trazer, se Mubarak vai deixar o cargo ainda é uma questão. Nós não sabemos o que vai acontecer com a Irmandade Muçulmana. Mas eles são muito claramente, por sua própria admissão, desejosos da destruição de Israel. Eles falam sobre isso, em termos inequívocos, a hostilidade em relação a Israel.

CP: Como você vê as coisas se desenrolando no futuro? Boa: Eu acredito que temos o privilégio de estar vivendo um momento em que estamos começando a ver a consumação de todas as coisas. Há uma série de sinais do fim dos tempos que eu acredito que não poderiam ter sido descrito como tal até as últimas décadas. As coisas estão trabalhando em conjunto, nos dando uma maior sensação de iminência da volta de Cristo. E assim eu vejo essas coisas que estão sendo preparadas. E eu vejo que nós somos parte deste processo mais amplo. Por exemplo, Ezequiel 38 descreve como vai haver uma invasão de Israel do Norte e Sul, Leste e Oeste e como essas nações conspiram contra Israel. Mas ele também descreve muito claramente que haverá um livramento sobrenatural de Israel. O que eu acredito que está sendo descrito aqui, é na verdade uma invasão por estes vários estados islâmicos ao redor de Israel. Por exemplo, Gomer, Magogue, Meseque e Tubal – as terras nomeadas em Ezequiel – todos correspondem aos vários estados que fazem parte da Comunidade de Estados Independentes (CEI) e são muçulmanos na ideologia. A terra de Put agora é a Líbia, Etiópia é o Sudão, e a Pérsia, como sabemos, é agora o Irã. Se você olhar no mapa, você veria essa convergência de Norte e Sul, Leste e Oeste.

CP: Mas e quanto ao argumento de que a maioria daqueles que praticam o Islã são pacíficos em sua natureza? Boa: Sim, em minha opinião, é apenas uma minoria de muçulmanos que praticam o islamismo militante, mas aqueles que o fazem têm um impacto desproporcional em termos de seu poder ideológico e compromisso. E o moderno islamismo militante acredita que o Islã eventualmente será ascendente e Israel será derrotado. Então eu realmente vejo uma invasão islâmica, que é impulsionada pela ideologia militante islâmica moderna que não existia na época de Ezequiel. O Islã é uma a religião relativamente nova, que data do século 7. Mas se nós vemos e sabemos que essas nações descrita em Ezequiel são agora, e eu acredito que nós fazemos isso, nós podemos ver biblicamente como haveria uma base para a inimizade e a hostilidade que acabariam por levar a essa tentativa de destruição de Israel – que, como você sabe, é um povo que tem sido muitas vezes vítima de tentativas de extermínio.

CP: Como você vê esse fim? Boa: Eu acho que haverá um futuro pacto de paz assinado, como descreve Daniel 9:27, no Oriente Médio, que será negociado para durar sete anos, mas será quebrado no meio. Este acordo será entre com o falso messias, chamado o Príncipe em Daniel e de Anticristo em João. E a minha suspeita é que essa invasão de Israel irá ocorrer um pouco antes disso. Haverá uma ilusão de paz e segurança. Haverá um quadro de pessoas dizendo: “paz e segurança”, como I Tessalonicenses 5:03 diz, quando de repente essas coisas vão acontecer. O período de tribulação só começa quando Israel assina esta aliança com este falso messias que surgirá. Eventualmente haverá um reagrupamento final em Israel que Ezequiel 39 descreve quando o verdadeiro Messias vier. E o que é interessante nisso é que as Escrituras predizem um futuro de paz entre as nações árabes e Israel – que o Egito vai estar em paz com os seus dois antigos inimigos, Assíria e Israel, como Isaías 19 profetiza. Mas isso será trazido do reino do Messias, e não do falso messias. Eu quero ser cuidadoso. Eu não quero dizer que os acontecimentos que vemos agora trarão eventos maiores, mas eu estou vendo padrões que são consistentes com o que li em Ezequiel. Eu suspeito fortemente que as hostilidades serão cada vez maiores e conduzirão a uma unificação que acabará nessa invasão de Israel pelas nações vizinhas, que são Islâmicas. Nós estamos vendo sinais de que as coisas estão sendo preparadas. E então, as nações verão Jesus reinando em Jerusalém no trono de Davi na glória e na beleza e na honra. E o que nós realmente aspiramos e desejamos a muito tempo se tornará realidade. E mesmo as experiências mais dolorosas que nos ocorrerem na vida serão nada em comparação com a glória que Ele irá revelar.  

veja também