Pastor é solto milagrosamente após ser espancado em poste: ‘Deus desamarrou minhas mãos’

Kelom Kalyan Tete foi sequestrado e atacado por uma multidão de cerca de 150 pessoas.

Fonte: Guiame, com informações de Morning Star NewsAtualizado: quinta-feira, 10 de março de 2022 17:58
 Kelom Tete foi sequestrado e atacado por uma multidão de 150 pessoas. (Foto: Reprodução/Morning Star News).
Kelom Tete foi sequestrado e atacado por uma multidão de 150 pessoas. (Foto: Reprodução/Morning Star News).

Um pastor foi espancado por hindus radicais em um poste em via pública e livrado da morte, após ter suas mãos desamarradas milagrosamente, na Índia, no mês passado.

De acordo com o Morning Star News, no dia 25 de fevereiro, extremistas hindus acusaram Kelom Kalyan Tete de ter convertido pessoas à força ao cristianismo, o sequestraram e o amarraram em um poste no meio de um cruzamento movimentado na cidade de Délhi.

Em um vídeo que circula nas redes sociais, o pastor Tete, de 35 anos, é visto soluçando, enquanto mais de 150 pessoas, incluindo crianças com uniforme escolar, o insultam e o atacam. “Uma enorme multidão me cercou e me agrediu, incluindo crianças em idade escolar que me chutaram com as pernas”, disse o líder ao Morning Star News.

Kelom Tete foi agredido na cabeça, peito, estômago, costas e foi, repetidamente, esbofeteado no rosto. “Eles me bateram na cabeça tantas vezes que comecei a sangrar pelo nariz e pela boca, pensei que meu osso do nariz estava quebrado. Eles pegaram água e jogaram no meu rosto, limparam o sangue que escorria com um lenço e começaram a me bater novamente”, relatou.

Tete já havia sido atacado pelos radicais no início do dia em outro local e, por volta das 10h, foi levado para a via pública, amarrado ao poste e espancado até o meio-dia. “Eles disseram: 'Vamos quebrar suas pernas, amarrá-lo a uma árvore'. Eles estavam conspirando para me matar”, contou Kelom.

Durante o episódio de crueldade, nenhum transeunte se manifestou contra a agressão ou chamou a polícia. “Poderiam ter questionado os homens que me espancaram para não fazer justiça com as próprias mãos e que, se tivessem algum problema, deveriam chamar a polícia. Mas é tão doloroso que ninguém deu um passo à frente. Todo mundo silenciosamente assistiu eles me tratarem de uma maneira tão desumana”, desabafou o pastor.

“Fiquei em silêncio como se Jesus estivesse na cruz. Todas as minhas forças se foram. Minha visão ficou turva e eu não conseguia ouvir direito por causa de vários tapas no rosto. Perdi a voz por algum tempo e não consegui mais gritar por ajuda”, disse.

Livrado da morte por Deus

A essa altura, os extremistas disseram que iriam agredi-lo com um cacetete e o pastor acreditou que seria morto. Porém, perto do meio-dia, as cordas que amarravam as mãos de Tete foram desatadas, milagrosamente. 

“O Senhor me salvou, acredito que Ele desamarrou minhas mãos”, testemunhou o líder. Então, ele conseguiu fugir entre os carros que passavam na avenida e chegou em casa.

A polícia local ainda não prendeu nenhum dos agressores e afirmou que está investigando o caso. Segundo o pastor Tete, no início as autoridades se recusaram a registrar uma ocorrência, e somente após a imprensa noticiar o ataque, que os policiais fizeram um relatório.

Além disso, o pastor afirmou que a polícia está distorcendo e minimizando o caso. “A polícia não está reunindo as imagens de vídeo do cruzamento, mas está tentando me incriminar. Tudo ficará claro depois que eles obtiverem as evidências das câmeras”, disse Tete.

O pastor Kelom Tete tem ministrado em Delhi há 18 anos e lidera uma igreja na cidade, cujo nome não foi informado por questões de segurança.

A Índia ocupa a 10ª posição na Lista Mundial da Perseguição 2022, entre os países onde é mais difícil viver como cristão. O novo ano ainda está começando e as comunidades cristãs em toda a Índia relatam um aumento na violência contra elas, suas famílias e locais de culto.

 

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições