Pastor presta assistência a famílias no lago Paranoá

Pastor presta assistência a famílias no lago Paranoá

Atualizado: Quarta-feira, 25 Maio de 2011 as 4:04

Os familiares dos desaparecidos no lago Paranoá após o naufrágio na noite de domingo (22) continuam a postos no clube Ascade à espera de notícias.

Segundo a major Vanessa Signale, cerca de 30 pessoas estão no clube nesta terça e, a cada corpo anunciado, o sentimento é de apreensão.

Um capelão e um pastor, a pedido do Corpo de Bombeiros, estão presentes "para dar uma assistência", nas palavras da major. Por volta das 11h, uma roda de oração foi feita às margens do lago, enquanto as buscas por mais vítimas continuavam. As equipes de busca continuam trabalhando no lago Paranoá e dividem-se entre o grupo que vasculha a área próxima à embarcação e outro que procura vítimas que possam estar mais distantes, levadas pela correnteza.

O Corpo de Bombeiros afirmou que a embarcação "Imagination" estava com o número de ocupantes acima da capacidade permitida. Segundo a major Vanessa Signale, o barco tinha autorização para navegar com 90 passageiros e dois tripulantes, mas ao menos 103 pessoas estavam a bordo.

A última vistoria feita na embarcação ocorreu em novembro, e foi atestado que ele estava em boas condições e tinha todos os itens de segurança, como boias e coletes salva-vidas. Passageiros relataram, porém, que ninguém usava os coletes na embarcação na noite de ontem.

Naufrágio anunciado No dia 22 de maio de 2010, o naufrágio de uma lancha com 11 pessoas no lago Paranoá resultou na morte de duas irmãs de 18 e 21 anos. A embarcação estava superlotada e tinha capacidade para apenas seis passageiros. Após a tragédia, a Marinha informou que iria intensificar a fiscalização no lago, inclusive no período noturno.

veja também