Pastor quer proibir que santos fiquem em capela de órgão público

Pastor quer proibir que santos fiquem em capela de órgão público

Atualizado: Quarta-feira, 1 Abril de 2009 as 12

Uma disputa mais por direitos iguais do que religiosa. É o que promete o presidente da Associação Evangélica Piauiense - AEPI -, pastor Robson da Silva. Ele promete reivindicar que capelas construídas em órgãos públicos não recebam imagens sacras católicas, como santos. O assunto, que promete polêmica, será motivo de requerimento ao Ministério Público e Procuradoria do Estado.

Para o pastor, as capelas foram criadas como ecumênicas, e com recursos de cidadãos de qualquer religião. "As repartições públicas tem as capelas ecumênicas, mas a maioria delas é tomada por símbolos religiosos da igreja católica. Uma religião que não defende os seus atos não pode ocupar essas capelas", explica Robson, frisando que legalmente o Brasil é um Estado laico, apesar da maioria católica.

"Não é ser contra os católicos, é reivindicar nossos direitos, porque a capela foi construída com o dinheiro de todos", acrescenta o pastor, citando exemplos como a capela da Assembléia Legislativa, do Detran, Secretaria de Educação, e até a do Hospital Getúlio Vargas, que está de reforma. "Ela não é só dos católicos, e estamos defendendo que ela não receba nenhum símbolo após a reforma. O espaço é para ser usado por todas as religiões", afirma Robson da Silva.

O pastor consultou um advogado que deve elaborar o requerimento ainda nesta semana.

veja também