Pastor toca louvores com saxofone e emociona equipe de hospital em São Paulo

O pastor Kleber Ferraz evangelizou profissionais da saúde e pacientes através da música em um hospital da Zona Norte de São Paulo.

fonte: Guiame, com informações da Veja

Atualizado: Quarta-feira, 15 Abril de 2020 as 9:09

Pastor Kleber Ferraz tocou saxofone em hospital da Zona Norte de São Paulo. (Foto: Arquivo pessoal)
Pastor Kleber Ferraz tocou saxofone em hospital da Zona Norte de São Paulo. (Foto: Arquivo pessoal)

Músicas que são geralmente tocadas nas igrejas também estão entrando no ambiente dos hospitais. Com seu saxofone, o pastor Kleber Ferraz levou uma mensagem de fé e esperança em meio a pandemia de coronavírus em um hospital em Santana, na Zona Norte de São Paulo.

O convite foi feito pela enfermeira Fernanda Miranda, 36 anos, que é cristã e trabalha no Hospital São Camilo. Em entrevista a Veja, ela descreve o clima tenso entre os colegas diante do aumento de pacientes na UTI com síndrome respiratória grave.

“Tem paciente que entra, pega na sua mão e fala: não me deixe morrer”, conta Fernanda. “A música faz falta e as pessoas não estão podendo ir na igreja, queria chamar algum músico para tocar no hospital”.

No dia 4 de abril, o pastor Kleber Ferraz, saiu do outro lado da cidade, na Zona Leste, para circular os andares do Hospital São Camilo com Fernanda e a técnica de enfermagem Denise Souza, que filmou o momento. 

“Na sessão de pediatria, os pais abriam as portas dos quartos dos filhos para cantar junto. Médicos estavam emocionados. Foi uma surpresa, não contamos para eles”, lembra. “As pessoas aplaudindo e cantando, isso mexeu muito com a gente”. 

Usando a devida proteção para evitar contaminações, o pastor tocou as canções “Ele Vive” e “Aleluia”. Quando Kleber saiu pela entrada do pronto-socorro na Rua Doutor Guilherme Cristoffel, moradores de prédios residenciais dos arredores também acompanharam os louvores, batendo palmas ao fim da apresentação.

Nas redes sociais, o vídeo alcançou milhares de compartilhamentos e comentários. “Já recebi ele várias vezes no WhatsApp. Pessoas agradecendo, falando que aquilo aqueceu o coração”, diz a enfermeira.

“Queremos organizar mais uma ação. Estou conversando com síndicos de dois prédios para fazermos um coral junto com os moradores, e o pastor tocando do lado de fora. Ele recebeu convites de outros hospitais para tocar também”, acrescenta Fernanda.

veja também