Pastores aconselham famílias a apoiarem os soropositivos

Pastores aconselham famílias a apoiarem os soropositivos

Atualizado: Quinta-feira, 12 Maio de 2011 as 10:08

Os pastores e líderes de grupos religiosos de diferentes igrejas do Huambo recomendaram, esta quarta-feira, maior atenção para com os seropositivos, uma atitude que deve começar na família.

Entrevistados no final do colóquio sobre VIH-Sida, que decorreu na cidade do Huambo, os participantes foram unânimes em afirmar que a descriminação é uma das causas do elevado índice de morte.

“A melhoria da vida das pessoas que vivem com VIH-Sida depende do comportamento da família e da sociedade”, afirmaram os entrevistados.

De acordo com o pastor Claudinei Silva, da igreja adventista do 7º Dia, as famílias devem encarar os doentes como pessoas vítimas da doença, pelo que não se podem recusar a prestar apoio.

"As pessoas que seguem Jesus devem acolher e confortar os seropositivos, seguindo o exemplo de Cristo, que curava e atendia com amor os leprosos, quando os outros os desprezavam," afirmou.

O reverendo Claudinei Silva afirmou que a sua igreja tem um ministério internacional da sida que trabalha na educação das comunidades, cujo propósito é de reduzir os casos de contágios, através da sensibilização nas escolas e igrejas.

Referiu que para além do ministério a igreja apoia também doentes através da sua agência de desenvolvimento de recursos assistenciais (ADRA).

O colóquio foi considerado pelos participantes uma oportunidade para troca de experiências sobre a educação e prevenção do VIH-Sida.

Julieta da Costa, coordenadora de trabalhos com crianças e adolescentes da Igreja Metodista Unida, realçou que o encontro serviu como elo catalisador para se criarem mais debates nas comunidades cristãs acerca do VIH-Sida.

Com 35 participantes, o encontro decorreu sob lema "resposta cristã à pandemia do VIH", uma promoção da Associação de Jovens Unidos Pela Vida (JUVP), com apoio da organização não governamental britânica OXAFAM.

O encontro visou despertar as instituições religiosas para a necessidade de prevenir a comunidade sobre o risco de infecção da doença, aumentando a informação para a mudança de comportamento na sociedade e reduzir o índice de prevalência do VIH/Sida.

Temas como os fluidos corporais com maior concentração de VIH, os actos que podem levar a infecção, as medidas da sua prevenção e como viver de maneira positiva foram, entre outros, os temas mais discutidos no encontro, orientado pelo reverendo Gaspar Sicato da IECA.

veja também