Pastores comentam 50 anos da morte de Martin Luther King: "Mudou o curso da história"

Nesta segunda-feira, se completaram 50 anos desde que Martin Luther King foi morto. A data é considerada feriado nos EUA.

fonte: Guiame

Atualizado: Terça-feira, 16 Janeiro de 2018 as 12:04

Martin Luther King Jr. fez um discurso em Washington, capital dos Estados Unidos no dia de 28 de agosto de 1963. (Foto: Reprodução).
Martin Luther King Jr. fez um discurso em Washington, capital dos Estados Unidos no dia de 28 de agosto de 1963. (Foto: Reprodução).

Na última segunda feira diversos líderes cristãos e até mesmo celebridades mundiais pararam para enaltecer os feitos históricos de Martin Luther King Jr. que na última segunda-feira (15) fez 50 anos de sua morte. É conhecido por todos a importância dentro e fora do cristianismo. O negro responsável pela estrondosa frase “I have a dream” (Eu tenho um sonho), continua sendo lembrado e certamente perpetuará seus atos por mais décadas.

Em uma homenagem a Luther King Jr, o professor Russell D. Moore escreveu um artigo expondo lições que podemos aprender por meio do homem que lutou nos EUA. "O ministério de liderança e justiça do Dr. King mudou o curso da história. Com coragem profética, ele falou com o mundo sobre uma visão cristã de igualdade, justiça e dignidade humana, e sua feroz defesa dessas convicções acabou por lhe custar a vida", ressaltou Moore.

O teólogo ainda explica: “Em nenhum lugar os pedidos bíblicos de igualdade e justiça foram mais claramente exibidos do que nos discursos e sermões da figura mais icônica do movimento, Martin Luther King Jr.", comenta. "Sua compreensão sobre a dignidade humana foi fundada nas Escrituras cristãs. À medida que a luta pelos direitos civis avançava em frentes múltiplas, ele falou corajosamente dessa base”, coloca.

“No domínio político, o Dr. King apontou como o sistema americano era inconsistente com os princípios da verdade de que ‘todos os homens são criados iguais e dotados pelo Criador com certos direitos inalienáveis’. Os americanos tiveram que escolher: ser um americano (conforme definido na Constituição e a Declaração de Independência), ou ser um supremacista branca", explica Moore.

Outro que reconheceu o grande valor de Luther King foi o pastor Franklin Graham. “Meu pai Billy Graham foi amigo do Dr. Martin Luther King, Jr., cujo aniversário é honrado hoje”, escreveu ele em sua fangape oficial na segunda-feira. “Eles se conheceram bem. Eles viajaram juntos, e pelo menos uma vez ficaram juntos na mesma sala”, ressaltou.

“A filha do Dr. King, Bernice King, disse: ‘Eu acho que o Dr. Graham e meu pai estavam tentando fazer do mundo um lugar melhor. Eles eram diferentes, obviamente, em seu estilo e sua abordagem, mas acho que o coração e seu objetivo eram o mesmo’. Quando meu pai estava fazendo uma cruzada evangelística em Chattanooga, TN, em 1953, ele chegou e cordas foram colocadas para segregar as pessoas”, relatou Franklin,

“Ele ficou consternado. Ele disse ao chefe da cidade para derrubar as cordas. Então meu pai tirou as cordas. Agradeço a posição forte que ele tomou”, salientou.

Sem esquecer do Brasil, o pastor cearense Yago Martins também se manifestou sobre o dia. “Para mim, Martin Luther King Jr. foi um homem que entendia o peso das palavras”. O discurso mais famoso de Luther King foi sugerido por Yago. “Uma aula a todo homileta. Uma inspiração a qualquer pastor. Uma surra em cada político”.

Confira o vídeo legendado do discurso de Martin Luther King Jr.:

veja também