Pastores geram polêmica ao falar de submissão feminina

Pastores geram polêmica ao falar de submissão feminina

Atualizado: Sexta-feira, 9 Abril de 2010 as 12

Dois pastores da Igreja da Inglaterra estão se recusando a se retratar de terem citado o ensino bíblico de que as esposas precisam ser ''submissas'' ao marido. O Rev. Angus MacLeay, e seu pastor assistente, Mark Oden, estão sendo criticados pelos meios de comunicação depois de terem recentemente publicado um folheto e feito uma pregação, respectivamente, que mencionavam a carta de São Paulo aos efésios (5:22-33) e diziam que esses valores, que estão fora de moda, salvariam casamentos.

A citação de Efésios é considerada em alguns círculos cristãos, principalmente onde predominam conceitos feministas, como profundamente polêmicos. São Paulo disse: ''Vós, mulheres, sujeitai-vos a vossos maridos, como ao Senhor; porque o marido é a cabeça da mulher, como também Cristo é a cabeça da igreja, sendo ele próprio o salvador do corpo. De sorte que, assim como a igreja está sujeita a Cristo, assim também as mulheres sejam em tudo sujeitas a seus maridos''.

Contudo, depois desse versículo vem uma admoestação igualmente forte para que os maridos amem a esposa, ''como também Cristo amou a igreja... Assim devem os maridos amar as suas próprias mulheres, como a seus próprios corpos. Quem ama a sua mulher, ama-se a si mesmo''.

Durante sua pregação na Igreja de St. Nicholas em Sevenoaks, Kent, no domingo, o Rev. Oden disse para a congregação: ''Sabemos que o casamento não está funcionando. Precisamos apenas olhar para as estatísticas - de cada quatro crianças, uma tem pais divorciados''. Ele culpou o elevado índice de divórcio pelo menos em parte na falta de obediência da mulher moderna no casamento.

Ele disse que a solução era voltar ao princípio cristão tradicional de maridos como cabeça do casamento: ''Esposas, sejam submissas ao marido''.

O Rev. Oden, que é casado e tem três filhos, tem desde então defendido sua pregação, dizendo: ''Tenho grande paixão de ajudar pessoas a ter casamentos saudáveis. Não era minha intenção desnecessariamente ofender as pessoas, mas ser fiel ao que Deus disse em sua Palavra, a Bíblia''.

O Rev. Angus MacLeay, pastor da Igreja de St. Nicholas, disse que o folheto publicado pela paróquia tem o objetivo de ''desafiar'' a sociedade moderna. Intitulado ''The role of women in the local church'' (O papel das mulheres na igreja local), o folheto aponta para o fato de que ''a atitude de Jesus para com as mulheres era revolucionária para Sua época e claramente sustentava a igualdade dos homens e das mulheres. Ele falava com as mulheres em público. Ele valorizava a companhia delas e o serviço delas''.

Contudo, o folheto explica que há uma diferença entre ''igualdade de condição'' e ''igualdade de função'', demonstrada pelo fato de que Jesus não reservou na igreja primitiva os mesmos papéis para homens e mulheres.

O folheto cita a Bíblia, dizendo ás mulheres que ''as esposas têm de ser submissas ao marido em tudo em reconhecimento do fato de que o marido é a cabeça da família como Cristo é a cabeça da igreja''.

''Esse é o modo como Deus colocou ordem nos relacionamentos deles uns com os outros e o casamento cristão não tem condições de funcionar bem sem essa ordem''.

O Rev. MacLeay disse para o jornal Daily Mail: ''Há ocasiões em que a Bíblia desafia a sociedade moderna. A Bíblia reconhece que as mulheres são totalmente iguais aos homens, mas também reconhece que em certas áreas da vida eles podem ter papéis diferentes. É claro que no casamento nossa principal preocupação é a responsabilidade de os maridos mostrarem consideração e amor para com a esposa''.

Em seu site, a Igreja de St. Nicholas se descreve como uma igreja em que ''cremos que a Bíblia é a autoridade suprema e final em todos os assuntos de fé''.

O Rev. MacLeay é um dos líderes do movimento anglicano conservador ''Reforma'' que defende a volta aos princípios bíblicos. A Reforma se opõe à ordenação de mulheres como pastoras e bispas.

Na mesma época em que o Rev. MacLeay fez sua polêmica pregação, as estatísticas mostravam uma leve queda no índice de divórcio. No entanto, as estatísticas estão também mostrando que os ingleses estão cada vez mais rejeitando o casamento completamente. Estatísticas divulgadas recentemente da Secretaria Nacional de Estatísticas mostravam 232.990 casamentos em 2008, o menor índice desde 1895, quando a população estava em apenas 30 milhões. O índice de casamento é o mais baixo num ano fora de guerra desde que os registros começaram em 1862.

Veja também este artigo original em inglês: http://www.lifesitenews.com/ldn/2010/feb/10021512.html

Por Hilary White

veja também