Pesquisa revela que há mais igrejas fechando do que abrindo nos Estados Unidos

Segundo estudiosos, o número de fechamento de igrejas pode dobrar ou ainda triplicar na esteira da pandemia.

fonte: Guiame, com informações de Religion News Service

Atualizado: Terça-feira, 1 Junho de 2021 as 4:07

O fechamento de igrejas estava entre as medidas mais contestadas na luta contra a Covid-19. (Foto: Mario Tama/Getty Images)
O fechamento de igrejas estava entre as medidas mais contestadas na luta contra a Covid-19. (Foto: Mario Tama/Getty Images)

Uma nova pesquisa da Lifeway Research revela que mais igrejas protestantes foram fechadas do que abertas, em 2019, dando sequência a uma queda congregacional de décadas que só deve acelerar, segundo os pesquisadores.

Dados de 34 denominações [que representam cerca de 60% das igrejas nos Estados Unidos] mostram que 4.500 igrejas foram fechadas em 2019, enquanto 3.000 foram abertas.

Antes da pandemia
“Mesmo antes da pandemia, o ritmo de abertura de novas congregações nem mesmo fornecia substitutos suficientes para aquelas que fechavam suas portas”, disse Scott McConnell, diretor executivo da Lifeway Research.

O estudo apontou para a aceleração do fechamento de igrejas. No ano de 2014, houve 3.700 fechamentos de igrejas, já em 2019 foram 4.500. Embora seja muito difícil obter informações precisas sobre o fechamento de igrejas, os resultados são reveladores.

Os pesquisadores contabilizaram cerca de 320 a 350 mil igrejas protestantes nos Estados Unidos. “O fechamento de 4.500 igrejas representa uma perda de 1,4%”, explicou Scott Thumma, professor de sociologia e diretor do Hartford Institute for Religion Research.

Durante a pandemia
Outro estudo do Center for Analytics, afiliado à United Church of Christ, pintou um quadro ainda mais nítido. Publicado em abril, apontou que na década que terminou em 2020, anualmente, 3.850 a 7.700 casas de culto foram fechadas.

Ou seja, cerca de 75 a 150 congregações por semana. O estudo também projetou que esses números podem dobrar ou ainda triplicar na esteira da pandemia.

A maior razão para o fechamento de igrejas é o declínio do número de membros. Uma pesquisa de março, do Gallup, descobriu que menos da metade (47%) dos americanos dizem pertencer a uma igreja, sinagoga ou mesquita. Em 2.000, pelo menos 70% se enquadravam entre os religiosos.

Acrescente a isso o custo crescente de manutenção de edifícios antigos e pagamento por melhorias e uma relutância pós-pandemia em retornar aos trabalhos nas igrejas.

Algumas congregações continuarão a prosperar, especialmente aquelas que convertem seu espaço sagrado para uso misto ou vendem parte de suas terras para habitação.

“A implantação de igrejas está diminuindo e o número de fechamentos está crescendo”, disse Ed Stetzer, diretor executivo do Wheaton College Billy Graham Center. “No entanto, a oportunidade ainda está diante de nós”, finalizou.

veja também