Pesquisador considera Bíblia mais violenta que Corão

Pesquisador considera Bíblia mais violenta que Corão

Atualizado: Segunda-feira, 22 Março de 2010 as 12

No title O historiador de religiões Philip Jenkins, da Penn State University, decidiu comparar a violência presente no Corão e na Bíblia. Sua conclusão, mostra a National Public Radio, é que a Bíblia é mais agressiva que o livro sagrado dos muçulmanos. "Surpreendentemente", enfatiza Jenkins, levando-se em conta a imagem de brutalidade que os fundamentalistas islâmicos espalharam pelo mundo em nome de sua religião.

Segundo o historiador americano, a violência do Corão é mais "defensiva" - e, "pelos padrões do século 7º, razoavelmente humana". Já a Bíblia traz um tipo específico de violência que "nós só podemos chamar de genocídio". No primeiro livro de Samuel (15:3), o profeta diz a Saul, a mando de Deus: "Vai, pois, agora e fere a Amaleque; e destrói totalmente a tudo o que tiver, e não lhe perdoes; porém matarás desde o homem até a mulher, desde os meninos até aos de peito, desde os bois até as ovelhas, e desde os camelos até aos jumentos". Ou seja: completa aniquilação. A ordem era tão definitiva que, quando Saul decide poupar algumas das vítimas, Deus desabafa (15:12: "Arrependo-me de haver posto a Saul como rei; porquanto deixou de me seguir, e não cumpriu as minhas palavras".

Jenkins afirma, porém, que o judaísmo e o cristianismo, com o passar dos séculos, deixaram a violência da Bíblia somente no campo das representações. Hoje, diz ele, "aniquilar o inimigo" significa simplesmente combater os próprios pecados.

veja também