Pesquisadores ganham bolsa para estudar a Bíblia na vida americana

Pesquisadores ganham bolsa para estudar a Bíblia na vida americana

Atualizado: Segunda-feira, 31 Outubro de 2011 as 11:34

Pesquisadores de uma universidade em Indiana (EUA) foram premiados com mais de U$ 500 mil de bolsa, que será usado para estudar como os americanos usam a Bíblia em seu dia a dia.

Lilly Endowment Inc., uma fundação privada com sede em Indianápolis, que se concentra em filantropia nas áreas de desenvolvimento comunitário, educação e religião, atribuiu a concessão aos pesquisadores da Universidade de Indiana para o estudo da religião e da cultura americana.

De acordo com o Centro, o projeto de pesquisa de três anos é um dos primeiros estudos de grande escala nacional desse tipo. "A Bíblia é, em todos os sentidos, o livro mais importante na cultura americana. Desde que os europeus colonizaram estas terras ela tem sido o maior best-seller americano em todas as versões variadas. Então, o que nós estamos interessados é saber como as pessoas estão realmente usando a Bíblia”, disse Peter Thuesen, chefe do Departamento de Estudos Religiosos da Universidade.

Pesquisas anteriores, disse Thuesen, indica que a maioria dos americanos acredita que a Bíblia é a Palavra de Deus, mas pouco se sabe além disso.

Quantas vezes os americanos lêem a Bíblia? Será que eles já leram toda a Palavra? Quem, ou o que, ajuda-lhes a compreendê-la? É comum as crianças de hoje memorizarem passagens da Bíblia? Qual é o impacto das Escrituras na tomada de decisões diárias na vida dos americanos? Qual o impacto da Bíblia na mídia eletrônica, na abordagem de que vivemos em uma sociedade que enfatiza o uso da tecnologia? Estas são apenas algumas perguntas que esperam começar a abordar, embora que as respostas não virão de uma só vez.

Há tanta coisa para descobrir, mas a pesquisa consegue resolver um conjunto limitado de respostas. “O que esperamos é que este trabalho pelo menos inicie o assunto, para que a partir dele surjam cada vez mais estudos", disse Thuesen.

O trio de pesquisadores irá encontrar as suas respostas por meio da união do material colhido com outros levantamentos: Em 2012, no National Opinion Research Council da Pesquisa Social Geral, o "padrão ouro" dos inquéritos de investigação social de acordo com Thuesen, e no Estudo Nacional da Universidade Congregação Duke. Usando ambas as pesquisas, os estudiosos serão capazes de fazer perguntas e analisar as respostas de diversos públicos, além de um público especificamente cristão. Após o inquérito ser conduzido, interpretado e relatado, haverá uma conferência em Indianápolis em 2014, onde os trabalhos serão apresentados em questões relacionadas especificamente com a Bíblia e seu uso pelos norte-americanos, incluindo informações históricas que irão acrescentar ao entendimento geral de pesquisa da equipe.

"Esperamos aprofundar os resultados da pesquisa com algum contexto histórico à medida que avançamos ao longo do projeto", disse Thuesen.

A concessão e as pesquisas vêm em um momento adequado, pois também em 2011comemora-se o 400 º aniversário da primeira edição da Bíblia King James. Thuesen acredita que não há outro livro sagrado que tenha moldado a cultura americana como a Bíblia, mas os pesquisadores ainda não sabem exatamente como o seu uso está mudando e como ela afeta as pessoas em uma base diária.

"A Escritura tem uma grande potência como um símbolo da religiosidade no país. Mas isso não significa que as pessoas, necessariamente, lêem a Bíblia”, disse ele.

Segundo o pesquisador, os resultados do projeto de pesquisa não serão benéficos apenas para os líderes religiosos, mas também para pesquisadores que estudam economia, política e uma série de outras disciplinas.

“Nós certamente temos em mente os líderes das comunidades religiosas, porque é sempre útil para os pastores saber mais sobre os hábitos das pessoas em sua congregação e como estão realmente se aproximando do texto sagrado e pensando nisso hoje. Mas nós também - porque nós somos um centro de pesquisa que não é de filiação religiosa - estamos sempre interessados  em entender como a cultura americana funciona e como ele está mudando”, finaliza.

veja também