Policial é demitido após tentar evangelizar colegas de trabalho

A Polícia do Estado de Indiana, considerou que Brian Hamilton "não respeitou as individualidades" de seus colegas ao tentar evangelizá-los e convidá-los para sua igreja.

Fonte: Guiame, com informações do Christian PostAtualizado: sábado, 9 de abril de 2016 14:03
Brian Hamilton tem 40 anos de idade e 14 de carreira na Polícia Estadual de Indiana. (Imagem: Fox 59)
Brian Hamilton tem 40 anos de idade e 14 de carreira na Polícia Estadual de Indiana. (Imagem: Fox 59)

Um policial do estado de Indiana (EUA)- acusado de falar sobre sobre Jesus e convidar seus colegas de trabalho para ir à sua igreja, foi demitido de seu emprego na última quinta-feira (7).

O Superintendente da Polícia do Estado Indiana, Doug Carter divulgou ainda na quinta-feira, uma nota sobre sobre a demissão de Brian Hamilton, de 40 anos de idade, e veterano da polícia, com 14 anos de carreira.

"Enquanto todos nós - cidadãos e Polícia - gozam do direito à liberdade de religião e liberdade de expressão, há restrições adequadas e apropriadas impostas sobre agentes do Estado, relacionadas com as suas acções, enquanto envolvidos em suas funções oficiais", começou Carter em a afirmação destacada pela emissora local 'ABC 6'.

"Enquanto eu respeito as opiniões religiosas do Sr. Hamilton, também estou encarregado de respeitar os direitos de cada cidadão e o melhor caminho a seguir para os cidadãos de Indiana e para o Sr. Hamilton, era acabar com o seu emprego como policial do Estado", continuou ele.

"Tomar a decisão de encerrar a carreira de uma pessoa não é uma decisão que eu tomo sem pensar consideravelmente. Eu realmente desejo para Brian, o melhor em seu futuro e a capacidade de seguir seu coração", acrescentou Carter.

A demissão de Hamilton veio após uma investigação interna que levou dois meses, devido a uma denúncia de que o então oficial questionou a afiliação religiosa de um cidadão em janeiro, de acordo com o jornal 'IndyStar', e dois dias após a a 'União pelas Liberdades Civis Americanas' (ACLU) ter entrado com um processo federal em nome de uma mulher, Wendy Pyle, que acusou o policial de perguntar-lhe se "ela tinha sido salva". Hamilton teria informações à mulher sobre sua igreja e deu-lhe informações sobre o endereço do templo.

"Ms. Pyle sentiu-se extremamente desconfortável com essa pergunta", informa o texto do processo.

Hamilton, de acordo com o jornal 'IndyStar' também tinha sido processado antes e alertado que devia "parar com o proselitismo". Em 2014, a ACLU entrou com uma ação semelhante em nome de uma mulher chamada Ellen Bogan, que acusou Hamilton de abordá-la em agosto por uma suposta infração de trânsito no Condado de Union. Depois de emitir a multa para a mulher, Hamilton teria perguntado se ela frequentava alguma igreja e se ela aceitaria Jesus Cristo como seu salvador.

"Não estou filiada a nenhuma igreja. Eu não vou à igreja", disse Bogan ao 'IndyStar' no momento. "Eu me senti compelida a dizer que sim, só porque eu tinha um policial estadual em pé na minha janela, do lado do passageiro. Foi simplesmente esquisito".

A ação de Ellen Bogan acabou sendo solucionada e Hamilton foi advertido a não questionar os outros sobre suas crenças religiosas ou fornecer panfletos religiosos ou anúncios semelhantes a eles.

Na ação mais recente, Hamilton tem sido nomeado como o único réu.

O site internacional 'Christian Post' procurou a mão para a polícia do estado de Indiana para mais comentários na sexta-feira e o Capitão David Bursten, diretor de informação pública para o estado policial disse que queria deixar claro que a demissão de Hamilton não tinha nada a ver com a ação mais recente.

"É preciso que fique claramente entendido que a investigação interna da polícia estadual e o anúncio público da ação contra o Sr. Hamilton são questões independentes e separadas", disse Bursten em um comunicado ao site.

"A investigação interna foi iniciada, conduzida, concluída e programada para submeter-se a audiência no dia 07 de abril. A demissão de Hamilton da polícia estadual foi o resultado de uma investigação interna completa e teria ocorrido independentemente de qualquer ação legal iniciada pela ICLU contra o Sr. Hamilton", observou ele.

Quando questionado sobre como ele descreveria Hamilton, Bursten disse: "Eu realmente não o conhecia muito bem. Eu sabia quem ele era. O que eu posso dizer, é que ele é um homem de convicções, ele é um homem de caráter, mas... exerceu algum julgamento muito pobre no desempenho das suas funções oficiais".


Contexto
Semelhante ao caso de Hamilton, a declaração de fé cristã também parece não ser bem-vinda entre cidadãos e policiais do Condado de Bradley (EUA).

No último domingo de páscoa, a página Bradley County Sheriff publicou um versículo da Bíblia junto a foto de uma cruz, com a mensagem: "Ele ressuscitou".

Depois da postagem, o Centro Legal de Ateus Americanos (AALC, na sigla em inglês) enviou uma carta a Watson, pedindo que ele parasse de promover o cristianismo em seu papel de xerife.

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições