Pr. Ubirajara Crespo:"Somos apenas uma extensão da Igreja e não sua concorrente"

Pr. Ubirajara Crespo:"Somos apenas uma extensão da Igreja e não sua concorrente"

Atualizado: Terça-feira, 21 Dezembro de 2010 as 3:33

Pr. Ubirajara Crespo é conhecido pelos livros  "Santos em restauração", "Qual é o limite para o sofrimento", "O passado versus presente, a maior batalha na sua vida",além de conferencista internacional e colaborador do portal Guia-me .

Em entrevista a nossa equipe de jornalismo, o diretor da Editora Naós (especializada em livros sobre batalha espiritual) conta quais são seus planos ministeriais para 2011. Leia:

Guia-me :  Chegando ao final de 2010, quais pontos podem ser avaliados como uma grande conquista em seu ministério?

A superação. O ano anterior foi difícil para o livro. A crise internacional atingiu em cheio o nosso nicho de mercado. Muitas livrarias fecharam as portas por não conseguirem se manter, enquanto outras reduziram sensivelmente o volume de compras. Elas são a nossa ponta de lança, o nosso contato com o cliente. O livro, embora necessário, não é mercadoria de primeira necessidade. A criatividade foi absolutamente imprescindível e nesta hora Deus não nos deixou desamparados. Este ano foi o ano da superação, onde conquistamos novos clientes, recuperamos gradativamente nosso potencial de distribuição, diversificamos os métodos de divulgação e abrimos novas frentes.

Guia-me :  Após um ano conturbado como este (Copa do Mundo, Eleições, desastres naturais, crise no Rio de Janeiro, resgate dos mineiros no Chile), quais pontos poderiam ser destacados como grandes aprendizados em relação a este ano, não somente no seu ministério, mas também de uma forma geral?

Foi um tempo preparado por Deus para conhecermos nosso público alvo. Suas necessidades, anseios, problemas, temores e abalos interiores. Foi o momento de repensar nosso ministério e levar ao público uma mensagem relevante. Alguns princípios são imutáveis, e como mensageiros de Deus não somos movidos por necessidades e expectativas humanas, mas pela vontade de Deus para a sua criatura. Não tratamos o ser humano como um consumidor, mas como ovelha que precisa de pastoreio e a nossa mensagem precisa ser tocá-lo. Chega de responder a perguntas que não estão sendo feitas.

Somos apenas uma extensão da Igreja e não sua concorrente ou substituta. Queremos ser seu apoio, ao invés de utilizá-la para o nosso crescimento, desviando recursos que deveriam ser canalizados por ela.

Guia-me : Em seus artigos / vídeos, o conhecimento bíblico é sempre colocado como uma proteção contra qualquer tipo de charlatanismo que possa vir da parte de algum falso profeta. Em sua opinião As pessoas têm procurado se proteger dos falsos profetas ou estar sob o domínio deles seria algo mais cômodo para essas pessoas?

O verdadeiro profeta funciona como o sistema imunológico do Corpo. Pedro disse que devemos cingir o lombo do nosso conhecimento. Referência ao cinto largo que os soldados antigos usavam para que suas roupas largas não fossem esvoaçantes e atrapalhassem seus movimentos durante as batalhas. O conhecimento da Palavra funciona como um cinto que faz com que tenhamos objetivos predefinidos, garantia de que estamos utilizando estratégias divinas e nos dá o controle sobre nossas ações e atitudes. O discernimento é um dos dons mais necessários para estes dias, e os acomodados ao sistema religioso reinante são cúmplices desavisados e serão cobrados por causa disto. Veja esta recomendação Bíblica a seguir:

1Ts 5.21,22: "...julgai todas as coisas, retende o que é bom; abstende-vos de toda forma de mal".  Nos últimos dias será mais difícil perceber a diferença entre o bem e o mal. Sem esta percepção será difícil saber se a roda é de escarnecedores ou não e poderemos perder a bem-aventurança prometida.  "Bem-aventurado o homem que não anda no conselho dos ímpios, não se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores" (Salmo 1.1). 

Guia-me : Quais são as suas expectativas e planos ministeriais para o ano de 2011?

Trazer ao povo uma mensagem sempre atual, equipar os soldados com armas espirituais de última geração, desde que o combustível e a essência fornecidos na Palavra de Deus, conforme está na Bíblia, não mude jamais.

Por Redação Guia-me

veja também