Pré-candidato do PT a prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad, tem organizado reuniões com pastores

"Fernando Haddad não!", dispara Pr. Silas Malafaia

Atualizado: Sexta-feira, 27 Abril de 2012 as 10:10

O pré-candidato do PT a prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad, tem organizado reuniões com pastores para tentar descaracterizar sua posição contra a igreja num passado recente e se aproximar do eleitorado cristão, que representa maioria esmagadora no país.

Haddad é acompanhado de perto por líderes evangélicos desde que era Ministro da Educação e propôs o polêmico chamado “kit anti-homofobia” ou “kit gay”, que seria distribuído em 6.000 escolas públicas de todo o país.

Conforme publicado no Verdade Gospel os encontros com alugns pastores ocorrem, em média, duas vezes por semana, em visitas à periferia, que não são divulgadas em sua agenda pública.

Silas Malafaia é um dos pastores que vem acompanhando as ações de Haddad e em seu site comentou sobre a aproximação de Haddad com o eleitorado cristão. Confira o texto na íntegra:

Tenho dito muitas vezes, vou repetir mais uma vez, vou continuar a repetir o seguinte: não satanizo partido político nem candidaturas. Voto em pessoas, seus princípios, suas atitudes. A prova que dou é que o senador Lindbergh Farias usou a tribuna do senado para me defender, sendo ele contra o que os ativistas gays tem feito – e ele é do PT.
Agora, o senhor Fernando Haddad está querendo passar um atestado de idiota aos pastores e ao povo evangélico de que ele não tem nada com isso em relação ao kit gay. Então vamos aos fatos:
O kit gay foi criado pelo Ministerio da Educação quando ele era o ministro, com verbas destinadas do seu ministerio, amplamente divulgado pela imprensa na fase de elaboração.
Então ele não sabia de nada? Não assinou a verba destinada ao projeto? Um fato tão importante na época e ele teve amnesia (coitadinho, “inocente”). Além do mais, o senador Magno Malta o alertou quanto a reação dos evangélicos, católicos e pessoas de bem, e assim mesmo ele deu continuidade ao projeto.
Se não fosse o veto da presidente Dilma, esta imoralidade de kit gay já teria sido distribuída nas escolas. E mais um dado: a Ong que produziu o material era ligada a grupos homossexuais.
Espero que os pastores e o povo evangélico de São Paulo deem uma resposta firme e incisiva.
Para a Prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad não!”

Leia Mais

Busca por voto de religiosos mobiliza candidatos em SP

Haddad diz que ainda andará muito por São Paulo com Marta

veja também