Prédios abandonados que serviam de moradia aos usuarios de crack, após ação de PM no centro de SP

Ruínas de cortiço na Cracolândia revelam mensagens bíblicas

Atualizado: Terça-feira, 10 Janeiro de 2012 as 12:11

Objetos pessoais e frases escritas nas paredes dos prédios degradados que eram habitados por usuários de crack servem de registro do cotidiano na região da cracolândia, centro de SP.

O local é um conjunto do que sobrou das moradias que antes ocupavam a área. Vários recintos feitos de escombros que até terça-feira eram usados como quartos -quase uma vila do crack.


As ruínas ocupam quase um quarteirão inteiro entre a rua Helvétia e as alamedas Dino Bueno e Cleveland. Foi lá que a Polícia Militar retirou usuários de crack no início da operação.


Dentro da "vila", uma grossa superfície de lixo em decomposição chega a formar montes de entulho do tamanho de uma criança. Na entrada, os visitantes são saudados: "Bem-vindos à Vila do Maquense". Não há referência ao que isso significa.


Nos quartos vazios, fogões, bijuterias, escovas de dente, mochilas escolares, roupas dobradas e ursinhos de pelúcia são resquícios de uma rotina familiar vivida em meio a nuvens de mosquitos, ratos, baratas, cheiro de urina e fezes. "Bem-vindo ao nosso lugar de família", diz outra inscrição na parede.

Agentes de limpeza que trabalham na área alertam para o risco de desabamento.


"Ontem uma parede caiu em cima de um rapaz. O certo seria demolir isso aqui", reclama um gari que pediu para não ser identificado.


Entre sapatos velhos e aparelhos eletrônicos quebrados, ainda é possível encontrar indícios inesperados de uma vida literária. Um livro de Monteiro Lobato foi deixado em um sofá; no chão, um dicionário de inglês-português; na parede, uma frase de William Shakespeare (1564-1616): "O mundo é um palco".


Há também ternura nas paredes da cracolândia. "Alex, você é um canalha, mas é o homem que conquistou meu coração". Ao lado da frase, uma fotografia de dois amantes na parede idealiza um romance perfeito.


Em outro quarto, as palavras paz, amor e Deus, grafadas dentro de um coração.


Na entrada do cortiço, árvores natalinas feitas com cabos de vassoura e botas de plástico improvisam uma comemoração recente.


Embaixo, uma oração anônima escrita em bela caligrafia agradece a sorte: "Mais um dia nasceu e com a bondade de Deus estamos vivos".

veja também