Pregar o Evangelho a todos significa pregar também às crianças

Pregar o Evangelho a todos significa pregar também às crianças

Atualizado: Quinta-feira, 11 Agosto de 2011 as 2:54

Dezoito de maio é "O Dia do Combate à Exploração Sexual da Criança e Adolescente". Incomoda a todos nós a informação de que, a cada 15 segundos, uma criança é abusada no mundo.

Neste ano, 12 cidades brasileiras reuniram cerca de 100 mil pessoas que marcharam contra essa violência e em favor das nossas crianças. O mundo inteiro tem dedicado atenção especial ao tema. As instituições e órgãos de comunicação em geral destacam diariamente os cuidados que devem ser dispensados à educação, saúde e proteção geral da criança. Mais do que nunca, todos temos nos voltado contra o trabalho escravo, o abandono, a violência doméstica e as drogas que viciam meninos e meninas. Crescem os movimentos que lutam pela proteção e prevenção contra o abuso sexual infanto-juvenil, proposta, aliás, discutida com graça e sabedoria em "O segredo da Tartanina", editado pela Universidade da Família (saiba mais na página 11). É consenso mundial que a dignidade, a honra e o futuro dos nossos pequeninos sejam garantidos, hoje, para que o amanhã lhes seja promissor em todas as áreas.

Todos, gente do mal e gente do bem, investem sua reputação, tempo, dinheiro e conhecimento na vida das crianças: traficantes, aliciadores, cineastas, dramaturgos, artistas, compositores, comunicadores, estilistas, logistas, educadores, profissionais da informática... E o crente? O que você, individualmente, está fazendo pelo presente, futuro e eternidade das crianças? A igreja, como organização, também precisa avançar muito; mas, e você, pessoalmente, o que está fazendo?

O mundo cuida das coisas que lhe são próprias. E ele só tem coisas "mundanas" para oferecer. Todas são oriundas do espírito deste mundo e com ele perecerão. Os mesmos que dizem estar lutando em favor das crianças lhes oferecem a pornografia, a violência, a rebelião e a sensualidade. Basta observar os últimos lançamentos da moda, da música e dos programas de TV infantil. Até os governos que dizem se esforçar por proteger nossos pequeninos, criam leis, programas de educação e material pedagógico que poluem a moral, os bons costumes e comprometem a estrutura natural da família. Isso é tudo o que o "Príncipe deste mundo" tem para oferecer. "O mundo jaz no maligno".

Um estudo feito nos Estados Unidos mostra que a maioria das pessoas adultas que são comprometidas com Deus e com os valores do Seu Reino, conheceu a Jesus Cristo como seu Salvador pessoal entre os quatro e catorze anos de idade. Não é interessante? Sim, pois a maioria dos marginais, dos viciados, dos violentadores, dos violentados e dos imorais também teve o desvio de conduta impresso em sua alma na mesma faixa etária. Uma visita às casas de detenção, à Fundação Casa, a casas de recuperação de viciados e a manicômios nos dará profundas lições sobre as verdades aqui citadas.

Por causa da triste realidade das crianças do mundo inteiro fazemos a pergunta: quem lhes pregará o Evangelho? O Evangelho que o mundo ignora, despreza e abomina é a única solução para o presente e para a eternidade. Jesus disse: "Deixai vir a mim as criancinhas; não as impeçais". Nós as temos deixado ir à casa dos familiares e amigos, às diversões, ao lazer, às férias, à escola e a tantos lugares que são bons, mas que, nem sempre, as conduzem a Jesus. Com isso as entretemos, passamos mais tempo nesses ambientes vendo-as crescer ali; roubamos-lhes a oportunidade de conhecerem a Cristo e as temos impedido de serem salvas ainda na sua infância. O Senhor Jesus, certa vez, lamentou: "Não quereis vir a mim, para terdes vida".

Pregar o Evangelho a todos os homens inclui pregar às crianças. Evangelizar a criança é salvar uma geração. Salvar, hoje, das práticas mundanas e, na eternidade, da perdição eterna. Levante-se agora, como um conquistador de crianças, pela pregação do Evangelho de Cristo, o único Salvador e Senhor.

Por Jonas Neves

veja também