Presbiteriano relata situação de Nova Friburgo no Rio de Janeiro

Presbiteriano relata situação de Nova Friburgo no Rio de Janeiro

Atualizado: Terça-feira, 18 Janeiro de 2011 as 9:42

Ainda que eu ande pelo vale da sombra da morte não temerei mal nenhum, porque tu estás comigo; a tua vara e o teu cajado me consolam.

Hoje, 14 de janeiro de 2011 foi mais um dia de lutas, dores, desesperos, mas sobretudo vontade de recomeçar. Posso dizer que sem sombras de dúvidas esse tem sido o sentimento que se percebe nas pessoas, não obstante toda a desolação que cerca todos os cantos de Nova Friburgo e muitas localidades circunvizinhas, como imagino também seja em Teresópolis e Petrópolis.

  De tudo um pouco foi possível viver. Chorando com os que choram vimos descer à sepultura várias pessoas, entre elas irmãos nossos. Tomamos conhecimento de tantos outros que atingidos pelas forças das águas e desabamentos não resistiram fisicamente e se foram. Muitos ainda não se tem como alcançar face aos soterramentos. Lutando com os que lutam nos vimos descarregando caminhões de donativos (louvado seja o Senhor pelo coração solidário de muitos quer de perto ou de longe), nos vimos também levando alimentos, roupas, ajudando no fluir do trânsito. Fazendo aqui e ali, um pouquinho na enormidade que precisa ser feita, mas com sentimento de esperança: Friburgo vai se por de pé! Deus há de nos valer! Juntos vamos conseguir!

  Ainda no de tudo um pouco... Foi possível sentir pavor com os que sentem-se extremamente alarmados. Nesta hora nos pegamos correndo num grande estouro de gente tentando defender a vida, fugindo de um falso alarme de rompimento de uma represa. Pensando agora, em cada minuto que nos é dado viver nestes dias há, dentro de nosso coração, uma grande pressa de que tudo passe. Há um grande grito de que o mal vá para bem longe de nós. Há uma profunda vontade de fugir dessa verdade chamada calamidade que nos desafia a seguir em frente. Para mim, parece, então, que não fugimos apenas de um boato. Fugimos ou corremos por um novo tempo, que há de chegar. Mais uma vez digo: há em nós um sentimento de esperança. Friburgo vai se por de pé! Deus há de nos valer! Juntos vamos conseguir!  

O boato nos serviu para investir ainda mais na luta pela vida. E, por mais absurdo que possa parecer, nos serviu para um momento de sorriso e troça. Depois que se percebeu que o alarme era falso a reação foi olharmos uns para os outros e rirmos nos perguntando como pudemos subir morros tão depressa? Como coube tanta gente num só carro? Como pudemos gritar tão alto? Ainda sorriremos por coisas mais preciosas, com certeza. Mas o absurdo dos risos de hoje nos ajudaram a seguir o dia.

  Infelizmente há quem tenta explorar a miséria, fazendo-se o pior dos miseráveis. Traz um sentimento de revolta saber que há quem cobre R$ 40,00 por um garrafão de água; ou quem cobre R$ 10,00 reais por uma caixa de vela; ou quem queira saquear casas dos desabrigados. Desabrigados, que com dor no coração, mas em amor à vida deixaram ali boa parte de suas histórias, escrita nos bens diversos de suas casas. Mas a revolta não é maior que a esperança. Esperança alimentada nas grande ações e também nos simples gestos como da cidadã que veio à nossa igreja entregou um litro de leite e ao sair, voltou e disse: "Vou deixar também o pão, não preciso levar tudo pra casa, posso compartilhar". Esperança alimentada no envolvimento e dedicação de oficiais, policiais, médicos, enfermeiros, bombeiros, militares da reserva que têm se apresentado para o serviço e também no envolvimento dos anônimos homens e mulheres, novos e antigos que vão por aqui e ali apresentando-se para ajudar. Sim, a esperança é maior que a revolta e ela vai vencer. Friburgo vai se por de pé! Deus há de nos valer! Juntos vamos conseguir!

  A noite chega, é tempo de tentar dormir. Há previsões de chuvas! Mas há certeza da presença do Senhor. Quer nas asas da alvorada ou nos mais profundos abismos. O Deus de longe, excelso, altíssimo, infinito é também Deus de perto, presente, que se inclina para ver o que se passa entre nós, que se faz como um de nós e que nos dá sua graça para vencer. Aleluia!

  Relato do Rev. Adelino ( Pastor da IP Olaria em Nova Friburgo - RJ )  

veja também