Presidente da IAP: 'Deus não nos obriga a ficar se nosso desejo é partir'

Presidente da IAP: 'Deus não nos obriga a ficar se nosso desejo é partir'

Atualizado: Domingo, 28 Novembro de 2010 as 9:48

A parábola do filho pródigo foi a ilustração usada pelo pastor José Lima de Farias Filho, presidente da Igreja Adventista da Promessa, na preleção do culto de sábado a noite na 46ª Assembleia Geral da IAP.

A mensagem, com o título 'O amor do Pai e a imperfeição dos filhos', foi continuação das duas preleções feitas no mesmo dia. 'O amor do Pai e a salvação dos filhos' foi feita pelo pastor Hermes Pereira de Brito no período da manhã. À tarde, os pastores José Wilbert Magalhães, Alexandro Jorge da Silva e Alan Pereira Rocha ministraram 'O amor do Pai e a comunhão dos filhos'.

Após a leitura bíblica da parábola, relatada no capítulo 15 de Lucas, o pastor José Lima destacou que ela não é a parábola do filho, mas a parábola do pai. “A parábola visa, não a imperfeição dos filhos, mas o grande amor do pai diante das imperfeições dos filhos. Jesus queria mostrar que Deus é capaz de amar além da nossa compreensão e aceitação", ensinou.

José Lima descreveu algumas características do amor do Pai, reveladas na parábola do filho pródigo. A primeira é que 'Deus é o Pai que respeita a opção de seus filhos'. O pastor disse que algumas pessoas se perguntam porque o pai permitiu que o filho saísse de casa se a intenção dele era acabar com tudo aquilo que tinha, e respondeu afirmando que o pai, na história, é Deus e Ele respeita a vontade dos filhos

“Deus não brinca quando diz que somos livres. Deus não nos impede de virarmos as costas para Ele e sairmos. Deus não nos obriga a ficar se nosso desejo é partir", ponderou.

'Deus é um Pai que aguarda a volta dos seus filhos', é a segunda característica citada pelo preletor, que conta que o filho passou necessidade, mas voltar para a casa do pai não era fácil e ele se distanciava cada vez mais. José Lima disse que Deus 'apertou' o filho e o mandou à casa de um gentil no meio dos porcos e ali ele caiu em si. “Eu gosto do Deus que cura o câncer, mas eu gosto mais ainda do Deus que 'aperta'. Se é Deus que aperta, a situação vai acabar bem", exclamou.

O pastor contou que o filho não só fez planos de voltar à casa do pai, como assim o fez. “Não fique só nos planos de voltar. Deus está de olho na estrada. Ele fica tentando te ver voltando. Está ansioso".

O beijo e o abraço do Pai

Outra característica relatada na mensagem é que 'Deus é um Pai que perdoa a falha dos seus filhos'. “O filho vai na direção do pai, e o pai que sempre o aguardou estava ali. Ele o abraçou e o beijou. O pai que sempre esperou o filho, o viu de longe e então pôs os pés na estrada e as palavras foram trocadas pelo beijo e pelo abraço do pai.

“Essa não é a hora de cobrança. Essa é a hora de você receber o abraço e o beijo do Deus que te chamou para cuidar das ovelhas dele", bradou José Lima.

'Deus é o Pai que restaura a honra de seus filhos'. Esta é mais uma característica do Pai amoroso, segundo o pastor, que leu o versículo 32 de Lucas 15: 'Trazei depressa a melhor roupa, e vesti-lho, e ponde-lhe um anel na mão e sandálias nos pés'.

"A aceitação é integral, envolve roupa, sandália e anel. O pai foi generoso em restaurar todos os benefícios de seu filho (...) O pecado é sujo e enche de lama o nosso currículo. Ele tira de nós o respeito e a autoridade, fere nossa auto-estima. Todavia, trago uma boa notícia, toda essa situação pode ser revertida em nome de Jesus. Se nos voltarmos ao Pai como crianças, Ele vai devolver a nossa honra e fazer festa", declarou.

Deus quer todos os filhos na festa

A última característica descrita pelo pastor é que 'Deus é o Pai que celebra o resgate de seus filhos', com base no versículo que diz que o pai ordenou que trouxessem o bezerro cevado, matassem, comessem e se alegrassem.

O filho que estava acostumado a comer bolota de porco, vai comer a carne mais macia, carne de bezerro cevado. O filho voltou à casa do pai e não ganhou as sobras, mas um banquete. Glorifique a Deus porque Ele é bom!

O preletor continuou a leitura que explica o motivo da celebração do pai: 'Porque meu filho estava morto e reviveu; tinha-se perdido e foi achado'.

José Lima lembrou ainda o fato de o irmão mais velho não ter se alegrado por não aceitar que seu irmão fosse tratado com graça pelo pai e sua reação era de indignação.

Ele é Teu pai, Ele te ama e quer você na festa. O Pai não rejeita nenhum dos Seus filhos, há lugar para ambos na mesa do Pai. Se alegre esta noite no Seu Deus. Ele tem roupa, anel e bezerro cevado para você.

Ao final, o pastor José Lima convidou a todos que quisessem para receber oração, pois 'o Senhor estava ansioso em ver seus filhos voltarem'. “Venha receber o abraço do Teu Pai, a roupa, o anel e sandália".

Após o momento de louvor e oração, o pastor Amador de Paula deu a bênção apostólica para encerrar a programação do sábado.

Por Juliana Simioni

veja também