Presidente do Sindicato de Escolas Particulares do RS cita educadora adventista

Presidente do Sindicato de Escolas Particulares do RS cita educadora adventista

Atualizado: Sexta-feira, 27 Maio de 2011 as 11:30

O presidente do Sindicato das Escolas Particulares do Rio Grande do Sul (Sinepe-RS), Osvino Toiller, citou trechos do livro "Caminho à Cristo", da escritora e educadora adventista Ellen White, em um artigo que ele publicou no jornal NH da grande Porto Alegre. Osvino Toiller é formado em Letras e especialista em Administração Escolar e Gestão pela Qualidade, tendo atuado como professor de Língua Portuguesa por cerca de 30 anos.

No texto, o presidente do Sinepe trata da importância do amor nas relações entre pais, alunos e professores.

Uma das pioneiras da Igreja Adventista, Ellen White é a escritora norte-americana mais traduzida em todo o mundo. Seus escritos tratam de temas relacionados à vida cristã, educação e saúde, entre outros. Segundo o presidente da Igreja Adventista na região central do Rio Grande do Sul (ACSR), pastor Moisés Mattos, a contribuição de Ellen White para o adventismo pode ser considerada inestimável. "Áreas como família, saúde e educação, por exemplo, foram balizadas em grande parte de seus escritos. Todavia, deve-se ressaltar que a Igreja Adventista acredita na Bíblia como única regra de fé e prática cristã", salienta.

Confira, abaixo, o texto publicado no jornal NH

O amor é tudo Nos últimos tempos, têm se acentuado ocorrências que sinalizam preocupações em relação à crescente violência quando não barbárie em diferentes regiões do país. Ouço falar cada vez mais na necessidade de construir prisões para aqueles que precisam ser privados do convívio com outras pessoas, por representarem risco à sociedade. Mas será que a solução está na construção de presídios ou na educação do ser humano? Eu só creio na retomada da missão indelegável da família na educação dos filhos, na redescoberta do amor na relação de pais e filhos, no equilíbrio de deveres e direitos, porque a jovem geração está crescendo numa visão equivocada de que tudo pode. Se há um aprendizado a fazer é aprender que a vida impõe limites e, em primeiro lugar, deveres, para depois falar de direitos. Esta é a grande confusão hoje em dia e, se não formos capazes de reverter isto, podemos nos preparar para surpresas amargas. Tanto entre pais e filhos quanto professores e alunos há dois sentimentos fundamentais: amor e respeito. Aliás, um leva ao outro. Santo Agostinho, século V, nos legou esta pérola: "Ama e faze o que quiseres", o que quer dizer que o amor dá o limite. Quem tem amor no coração é bênção para a humanidade. Ellen G. White, em "Caminho a Cristo", diz que "o amor é o princípio da ação. Modifica o caráter, governa os impulsos, domina as paixões, subjuga a inimizade e enobrece as afeições. Esse amor, abrigado no coração, ameniza a vida e espalha ao redor uma influência enobrecedora". Por que não estamos ensinando isto às crianças e aos jovens, em vez de decantado propósito de preparar vencedores? Temos compromisso com a formação de seres humanos plenos, que respeitam o outro pelo que é e solidário na dor alheia. Em vez de vencer, ajudar a superar. Isto certamente é loucura para quem deseja feras em lugar de seres humanos amorosos. OSVINO TOILLIER - Presidente do SINEPE/RS  

veja também