Professor de Teologia do Mackenzie vence prêmio Areté

Professor de Teologia do Mackenzie vence prêmio Areté

Atualizado: Terça-feira, 5 Outubro de 2010 as 4:56

O professor da Escola Superior de Teologia do Mackenzie Ricardo Bitun foi vencedor do prêmio Areté de Literatura, principal premiação brasileira do segmento religioso. A obra homenageada, Henry Nowen de A a Z, faz uma análise profunda sobre um dos nomes mais importantes para o pensamento cristão. 

Henry Nowen nasceu em 1932, na Holanda, e formou-se em teologia e psicologia. Henry lecionou por quase vinte anos em Universidades da Holanda, França e Estados Unidos, mas foi no trabalho social que ele realmente se encontrou. Um dos destaques desse trabalho voltou-se ao cuidado de deficientes mentais, numa comunidade no Canadá. 

 

Segundo Ricardo Bitun, toda a peregrinação do religioso para conhecer melhor a Deus, ao próximo e a si mesmo é fruto de uma intensa inquietação interior. “Ao estudar a vida e a obra de Nouwen, percebo uma angústia existencial comum que habita no coração de todos aqueles que desejam de alguma maneira servir a Deus e ao seu próximo sem reservas. Nouwen, apesar de sua posição de destaque dentro de seu sacerdócio, sente a necessidade de algo mais. Inquieta-se com um mundo desapercebido da existência de Deus, do próximo e, principalmente, desapercebido de si mesmo, enquanto ser que existe para além de si. Daí sua busca frenética em lugares diferentes, credos, profissões”. 

 

A riqueza bibliográfica e, principalmente, as várias ações sociais dificultam a realização de uma biografia fiel às características de Nowen. “A dificuldade maior residiu em peneirar o que de mais importante e significativo existe numa figura tão complexa e ao mesmo tempo tão simples como Henry Nouwen. Sua personalidade transita entre a figura de um santo, desejoso das coisas concernentes a Deus, e em outros momentos se mostra tão humano e tão pecador como o homem criado por Deus”, destaca Ricardo Bitun. 

Dentre cerca de 40 livros de Henry Nowen, todos versando sobre a vida espiritual, o autor da biografia destaca duas obras primas: O Sofrimento que cura e A Volta do filho pródigo. “Meu primeiro contato com o autor foi por meio do livro A volta do filho pródigo. Comecei a ler e fiquei encantado com a maneira suave e íntima com que Nouwen interpretara a parábola do filho pródigo. Aí começou a idéia de uma biografia”, conta Bitun. 

 

Em relação ao prêmio Areté, o professor do Mackenzie ressalta a contribuição da obra em esclarecer alguns dos ensinamentos de uma das pessoas mais importantes para a construção do pensamento cristão contemporâneo. “É uma experiência nova e diferente ser reconhecido nesta premiação tão importante. No entanto, só daqui um tempo é que poderei avaliar o verdadeiro significado desse reconhecimento ao trabalho”, avalia.

veja também