“Quando não temos a identidade de filhos, perdemos a noção de quem é Deus”, diz pastor

Para aqueles que estão se sentindo sujos e indignos do amor de Deus, o pastor Joel Engel convida a voltar aos braços do Pai.

fonte: Guiame, Luana Novaes

Atualizado: Sexta-feira, 23 Abril de 2021 as 4:05

(Foto: Cecilie Arcurs/Getty Images)
(Foto: Cecilie Arcurs/Getty Images)

Ao ensinar aos seus discípulos o “Pai Nosso”, Jesus deixou mais do que um modelo de oração — Ele abriu um caminho para reconectar os filhos com a paternidade do Criador.

Em mensagem transmitida no culto da última terça-feira (20), o pastor Joel Engel observa que muitos buscam a Deus em momentos de oração, mas “quando você se torna filho, Deus passa a ser seu Pai”.

“No início, havia uma comunhão tão grande entre o homem e Deus que Adão era um com Ele. Adão era filho e Deus era pai. Mas quando Adão pecou, seu erro trouxe vergonha e criou-se uma barreira. Seus ouvidos espirituais foram rompidos”, explica o pastor. 

Como consequência do pecado, Engel observa que Adão passou a sentir-se como escravo e “perdeu sua identidade de filho”. Junto com isso, ele perdeu “também a noção de quem é Deus”.

O mesmo pode acontecer com cada um de nós, quando estamos fora da comunhão com Deus. Por isso, o Senhor enviou Jesus Cristo: “para resgatar esse relacionamento entre pai e filho”, lembra o pastor.

O texto bíblico de Lucas 11 registra o ensino de Jesus: “Quando vocês orarem, digam: ‘Pai!’”

Esse ensino foi algo inédito para aquele tempo, segundo explica Engel. “Até os dias de Jesus, as pessoas entendiam Deus como um juiz, como alguém que castiga. Nós fizemos uma imagem de Deus completamente errada. Para recuperar isso, precisamos voltar às nossas origens.”

Como voltar à origem quando nos sentimos sujos e indignos? Engel lembra que, assim como um pai não desiste de um filho — por pior que sejam seus erros — Deus não desiste de nós.

“Quando fizemos tudo errado, Deus um dia desceu do céu e disse: eu vou pagar a dívida”, afirma. “Ainda que Ele tenha apanhado por sua causa e ainda que você jamais agradeça, o amor Dele é tão profundo, tão alto, tão largo, tão eterno que, ainda que todos os oceanos se transformassem em tinta para escrever o quanto Ele nos amou, não seria suficiente”.

Joel Engel, que além de pastor é pai de três filhos e avô de quatro netos, define um pai como “provedor, protetor e profeta”, acrescentando que o “pai profeta olha para o filho e vê como ele será no futuro”. 

Por isso, o pastor convida a conhecer esse pai, que é Deus. “Um pai não olha para o filho de acordo com seus erros ou pecados. Ele olha para o filho como criação, como alguém que está crescendo. O filho vai cair muitas vezes, vai sujar as fraldas muitas vezes, mas ele o enxerga como alguém que vai se tornar adulto e vai fazer o mesmo que o pai fez”, afirma.

Veja a pregação completa:

 

veja também