Quarta-feira de Fogo reuniu centenas de evangélicos em Barreiras

Quarta-feira de Fogo reuniu centenas de evangélicos em Barreiras

Atualizado: Quinta-feira, 10 Março de 2011 as 3:31

A noite dessa quarta-feira, dia 09, foi marcada com um grande ato de louvor realizado na Avenida Clériston Andrade. Centenas de evangélicos estiveram reunidos para louvar a Deus durante a “Quarta-feira de Fogo”. “Esse é um momento de reflexão. O evento não está restrito somente aos evangélicos, toda população foi convidada para esse ato de louvor, onde demonstramos e fortalecemos a nossa fé”, revelou a prefeita Jusmari Oliveira.

“Pela primeira na história de Barreiras o governo municipal está atuando com respeito a todo povo. A Quarta-feira de Fogo é sem dúvida um evento onde todas as famílias podem estar presentes”, disse o Bispo Daniel Elias, da igreja Missão Mundial Servos.

Presente no evento, o Deputado Federal Oziel Oliveira (PDT), também ressaltou a iniciativa da prefeitura. “Temos que respeitar todos os públicos. Vivemos num país democrático. Acho que essa iniciativa é sem dúvida um marco para o oeste da Bahia. Esse evento é um modelo a ser seguido nas demais cidades da região”.

Na Quarta-feira de Fogo o show da Banda Renascer e do cantor Pierre Onassis, animaram a multidão. Pierre cantou sucessos como: “Deus é bom demais” e falou da oportunidade de se apresentar em Barreiras.

  “Agradecemos a oportunidade dada pela prefeita Jusmari Oliveira de estarmos aqui em Barreiras levando a palavra do Senhor para todos aqui presentes. Estou contente em saber que a cidade tem uma prefeita que respeita e valoriza os evangélicos”, comentou Onassis.

  Pierre Onassis: cantor baiano louva a Deus com percussão e letra evangélica

Artista congrega na Igreja Batista Lírio dos Vales há três anos e, desde então, só se dedica à carreira gospel: “Vivo 100% para adorar”

 Pierre Onassis, 42 anos, tem muito o que agradecer a Deus. Ex-Olodum, ex-Bom Balanço, ex-Afrodisíaco e ex-Vixe Mainha, ele  finalmente encontrou o caminho. O cantor, que se converteu ao Evangelho e, há três anos, congrega na Igreja Batista Lírio dos Vales, se prepara para lançar seu primeiro CD gospel, Deus É Bom Demais, em fevereiro.

Isso não implica, porém, que ele tenha largado o suingue do axé. O novo som de Pierre é tão dançante quanto antes, mas mistura o batuque da percussão com letras que falam de Jesus Cristo.

  “Eu não intitulo de axé gospel. O que eu faço é  música para Jesus. Faço louvor.  Muitas pessoas vão associar porque o ritmo é o mesmo,  percussão é a minha origem, é o que sei fazer, mas não vai partir de mim essa definição. Hoje, meu foco é outro. A importância maior da minha música é agradecer a Deus”, explica o cantor.

  Trajetória

  Pierre se converteu após uma carreira de quase 24 anos. Começou no Olodum, em 1990, e, durante esse tempo, criou grandes sucessos que o transformaram em um importante compositor baiano. Músicas como  Rosa, Berimbau e Requebra são dele. Esta última, aliás, ganhou uma nova e evangélica versão: “Dou glória, dou glória, dou glória, sim/Deus é fiel. Ele cuida de mim”.

Nessa época, Pierre compôs também Vai Sacudir, Vai Abalar para o Cheiro de Amor; Suingue do Ara; pro Ara Ketu, Cara Caramba, pro Chiclete; e Levada Brasileira, sucesso na voz de Daniela Mercury.

  Nove anos depois, Pierre deixou o Olodum e montou o Bom Balanço, que estourou  graças aos hits Juliana e Entre na Roda. Em 2005, o cantor resolveu apostar em outra banda e criou, com Jau, o Afrodisíaco, que depois passou a se chamar Vixe Mainha.

O grupo lhe rendeu os prêmios de melhor música do Carnaval do Bahia Folia 2006, além de três prêmios no Troféu Dôdo e Osmar, no mesmo ano, incluindo melhor música para Café com Pão. Até que Jau desfez a dupla, após alguns desentendimentos.

  “Essas bandas foram fundamentais, tanto  profissional quanto financeiramente. Nessa época, eu já usava o dom de Deus, mas só agora percebo que isso não me preenchia.  A gente às vezes está feliz por fora, mas ninguém sabe dos nossos vazios por dentro. Deus veio preencher isso”, diz o cantor.

Ainda no comando do Vixe Mainha, ele assumiu sua fé e se comprometeu em levar a palavra de Deus por onde fosse. Por isso, renunciou à banda em 2009 e passou a se dedicar à música gospel.

  “A Bíblia diz que louvar liberta. Sei que existe o funk e o arrocha gospel, mas para mim a sensualidade não pode  fazer parte. Por isso, deixei o mundo secular e, hoje, vivo 100% para adorar”, proclama.

veja também