Quase cego, pastor que já foi viciado se dedica em ajudar moradores de rua

Jonas Ângelo morou nas ruas de Belo Horizonte e hoje lidera projeto onde ajuda pessoas em situação de vulnerabilidade.

fonte: Guiame, com informações da Rede Super

Atualizado: Sábado, 17 Fevereiro de 2018 as 10:59

Hoje, Jonas Ângelo só possui 90% de sua visão. Mas, isso não foi o suficiente para interromper seu trabalho para o Reino de Deus. O pastor mineiro cuida de pessoas que sofrem com o vício em drogas. O problema lhe é tocante, porque um dia ele foi resgatado de seus vícios quando jovem.

Jonas Ângelo entrou no mundo das drogas muito cedo, logo aos 14 anos, Segundo ele, resultado de uma família que se desviou dos caminhos de Deus. “Sou fruto de família evangélica. Meus pais eram evangélicos, mas eles se afastaram do Evangelho. Meu pai se tornou um alcoólatra. Durante muito tempo ele bebia e chegava em casa embriagado. Isso foi trazendo conflitos para a família”, disse ele em entrevista para o programa Noite e CIA.

“Depois a minha mãe perdeu um filho e isso fez com que ela tivesse um transtorno mental. De vez em quando ela saía e ficava uma semana na rua, catando papel e às vezes eu encontrava ela em algum hospital psiquiátrico. Depois houve divergências entre eu e meu pai e ele acabou me colocando para fora de casa”, contou.

Vício em drogas

“A primeira droga foi a maconha. As más companhias corrompem os bons costumes. A maioria das pessoas que levam as pessoas para o crime são más companhias. No bairro onde morava, acabou que eu acabei me envolvendo com a maconha. Eu vivi na rua e ficava procurando por prédios em construção para dormir. De vez em quando alguém me oferecia um lugar para dormir em troca de trabalho”, lembra.

Quando estava perto de completar 18 anos, Jonas começou a trabalhar em uma sapataria e voltou a frequentar a igreja. Desde então, são 25 anos servindo o Senhor. “A minha saída das ruas se deu aos 17 anos quando comecei a trabalhar em uma fábrica de calçados. Aí eu encontrei uma moça que era evangélica, ela me evangelizou e eu fui para a igreja”, disse.

“Deus foi fazendo a obra na minha vida. Ouvir uma pregação que mexeu muito comigo. Eu já morava no barracão sozinho e aí eu entrei no barracão e orei a Deus e disse: ‘Se realmente você existe, me liberta’. Eu tentei me libertar várias vezes da droga e não consegui. Mas depois dessa oração, Deus tirou de mim o vício e eu comecei a seguir o caminho de Deus”, colocou.

Trabalho social

Hoje, o pastor ajuda moradores de rua e pessoas em situações vulneráveis. Ângelo também faz parte do comitê de monitoramento e assessoramento de políticas públicas à população em situação de rua. Há quatro anos, ele perdeu 90% da visão, mas continua trabalhando e pastoreando.

“É um trabalho maravilhoso. Eu comecei há seis anos juntamente com a igreja na qual hoje eu sou pastor. A gente fazia toda semana, mas começamos a fazer de 15 em 15 dias, com as dificuldades. A gente vai para as ruas de Belo Horizonte, leva roupa, água, suco, calçados e a gente tem uma parceria com o pessoal do 1º Batalhão onde realizamos ações de atender duas mil pessoas”, salietou.

veja também