"Que Deus dê conforto a todos nesse momento doloroso", diz Lula sobre tragédia no Haiti

"Que Deus dê conforto a todos nesse momento doloroso", diz Lula sobre tragédia no Haiti

Atualizado: Quarta-feira, 13 Janeiro de 2010 as 12

Em nota divulgada nesta quarta-feira, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva lamenta a tragédia no Haiti após o terremoto de 7 graus de magnitude que atingiu ontem o local e a morte da fundadora da Pastoral da Criança, Zilda Arns.

"Profundamente consternado com a tragédia que atingiu o Haiti, ao qual nos sentimos vinculados fraternalmente em razão da presença da Força de Paz liderada pelo Brasil, transmito meu pesar e minha total solidariedade ao povo haitiano e à família das vítimas brasileiras, civis e militares, em especial à de Zilda Arns, coordenadora da Pastoral da Criança e da Pastoral da Pessoa Idosa e conselheira do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social. Que Deus dê conforto a todos nesse momento doloroso", diz Lula.

O Exército brasileiro divulgou na tarde de hoje um novo balanço no qual informa que onze militares brasileiros morreram no terremoto de sete graus de magnitude que devastou Porto Príncipe, a capital do Haiti, na véspera. Outros quatro militares continuam desaparecidos, segundo comunicado do Exército.

Há escombros por toda a parte na capital Porto Príncipe, o que impede que carros circulem pela cidade. O incidente comprometeu os sistemas de telefonia fixa e de celular, dificultando o repasse de informações.

Não há energia elétrica na capital, o que tornou as buscas ainda mais difíceis e comprometeu a avaliação dos danos do terremoto nesta madrugada. Segundo o Centro de Comunicação Social do Exército, muitos habitantes de Porto Príncipe estão buscando refúgio na base do Comando do Batalhão Brasileiro, menos atingida pelos abalos.

O Brasil tem 1.266 militares na Força de Paz da ONU, a Minustah, dos quais 250 são da engenharia do Exército. Os militares já tiveram participação no socorro às vítimas dos furacões de 2004 e de 2008, que atingiram o Haiti.

A força foi trazida ao país depois de uma sangrenta rebelião em 2004, que seguiu décadas de violência e pobreza. A missão é liderada pelas tropas brasileiras.

Postado por: Felipe Pinheiro

veja também