Rabinos chefes de Israel divulgam carta nacional contra o aborto

Rabinos chefes de Israel divulgam carta nacional contra o aborto

Atualizado: Terça-feira, 26 Janeiro de 2010 as 12

Os dois rabinos chefes de Israel intensificaram uma campanha contra o aborto que eles haviam começado dois anos atrás, enviando uma carta para todos os rabinos na folha de pagamento do governo. A carta afirma que a prática assassina está adiando a vinda do messias, de acordo com fontes noticiosas israelenses.

Os rabinos Shlomo Amar e Yona Metzger declaram em sua carta que o aborto em Israel é ''uma epidemia real, pois dezenas de milhares de almas judaicas estão sendo perdidas a cada ano… Além da extrema gravidade dessa transgressão, está adiando a redenção''.

Os rabinos baseiam sua afirmação numa passagem do Talmude, uma obra de vários volumes dos ensinos tradicionais e decisões legais, que declara: ''A redenção só ocorre quando todas as almas são colocadas para fora de seu lugar de armazenamento''.

A carta declara também que ''a vasta maioria dos abortos é desnecessária, e Halacha (a lei religiosa judaica) os proíbe severamente''.

A carta foi marcada para a leitura do livro de Êxodo nas sinagogas de Israel, a qual começa em 9 de janeiro. O livro reconta o ataque genocida do faraó egípcio aos hebreus antigos, onde ele ordenou que as parteiras hebréias matassem todos os bebês do sexo masculino. Na carta, os rabinos são incentivados a fazer a conexão com as mortes de dezenas de milhares de crianças judaicas a cada ano.

Dos estimados 50.000 abortos que ocorrem em Israel a cada ano, só 20.000 são legais, de acordo com a organização pró-vida judaica Efrat, que apresentou as estatísticas para os rabinos no ano passado. Os rabinos estão incentivando as sinagogas locais a trabalhar com Efrat em suas atividades pró-vida.

veja também