Reforma Protestante: As 10 diferenças entre Martinho Lutero e João Calvino

Saiba mais sobre dois dos reformadores mais influentes da Europa do século XVI.

fonte: Guiame, com informações do Evangelical Focus

Atualizado: Quinta-feira, 31 Outubro de 2019 as 11:45

João Calvino e Martinho Lutero. (Foto: Domínio público)
João Calvino e Martinho Lutero. (Foto: Domínio público)

Em 31 de outubro de 1517 um monge agostiniano revolucionou a história europeia pregando suas 95 teses na porta da igreja do castelo, que ficava em Wittenberg (Alemanha). O referido monge não era outro senão o aclamado pela crítica Martin Luther (Martinho Lutero).

Graças às façanhas ousadas de Lutero, ele, sem querer, deu origem à Reforma Protestante (embora o termo protestante não tenha sido usado até doze anos depois).

Seu zelo pelas Escrituras gerou uma série de teólogos pró-Reforma, como Matthias Flacius, Urbanus Rhegius, Johannes Brenz e Martin Chemnitz - "o segundo Lutero" - dentro do campo luterano. Além do fiel companheiro de Lutero, Philip Melanchthon. Os dois eram perfeitamente adequados para ministrar juntos.

Certa vez, Martinho Lutero comentou: “Sou grosseiro, barulhento, tempestuoso e beligerante. Eu nasci para lutar contra inúmeros monstros e demônios. Devo remover tocos e pedras, cortar cardos e espinhos e limpar florestas selvagens; mas o Mestre Philip vem suave e gentilmente, semeando água de alegria de acordo com os dons que Deus lhe concedeu em abundância”.

Lutero também inadvertidamente abriu caminho para um campo mais reformado com protestantismo, com gigantes como Martin Bucer, Huldrych Zwingli, Heinrich Bullinger e Theodore Beza.

No entanto, muito acima de todos os pensadores mencionados, destaca-se outro teólogo reformado cuja fama é igual - e, em alguns setores, supera - a de Martinho Lutero. Nascido na França em 1509, João Calvino passou a maior parte de sua vida ministerial em Genebra (Suíça), desenvolvendo o que o reformador escocês John Knox mais tarde designaria como: “A escola mais perfeita de Cristo que já existiu na terra desde os dias dos apóstolos. Em outros lugares, confesso que Cristo foi verdadeiramente pregado; mas as maneiras e a religião são tão seriamente reformadas que ainda não vi em muitos lugares”. Palavras bastante impressionantes dos lábios de um escocês não exatamente conhecido por sua bajulação para falar de João Calvino.

Então aqui temos os dois verdadeiros campeões da fé protestante: O alemão Martinho Lutero e o francês João Calvino. Existem diferenças entre eles? Quais são elas? Vamos descobrir.

Aqui estão dez diferenças entre Lutero e Calvino:

1. Primeiro Lutero e depois Calvino

A primeira coisa que devemos levar em consideração é que Calvino era muito mais jovem que Lutero, 26 anos para ser mais preciso. Quando Lutero colocou suas mãos na porta da igreja, o pequeno João tinha oito anos de idade. Lutero pertencia à primeira geração da Reforma Protestante, enquanto Calvino era um reformador da segunda geração. Graças ao suor, sangue e lágrimas de Lutero, Calvino herdou um rico legado teológico que ele foi capaz de cultivar.

2. Um profeta e um sistemático

Embora seja verdade que os dois homens são conhecidos por serem grandes mestres da fé cristã, seus diferentes contextos os condicionaram de maneiras distintas. Lutero foi o grande profeta de um novo movimento diante de seus seguidores, abrindo novos caminhos para seus sucessores protestantes. Era natural que ele se caracterizasse por tal fogo e tenacidade irresistível. Calvino, no entanto, veio mais tarde e, portanto, recebeu muito espaço para respirar, necessário para refletir metodicamente as ideias concedidas à igreja cristã por Lutero. Qualquer leitor superficial pode dizer que Calvino é muito mais sistemático em pensamento do que Lutero. Como especialista em Reforma, o Dr. R. Scott Clark disse recentemente: “Calvino e os ortodoxos reformados fizeram um trabalho maravilhoso ao ajudar a colocar as grandes ideias de Reforma de Lutero em um contexto mais abrangente e pactual”.

3. Extrovertidos e Introvertidos

No que diz respeito à personalidade, Lutero era extremamente extrovertido. Ele sempre tinha convidados em casa e adorava estar com as pessoas. Ele conversava, brincava e ria com seus amigos. Calvino, por outro lado, nunca se sentia à vontade no ministério público. Não foi tanto seu amor por seu rebanho que o levou a seu trabalho pastoral em Genebra, mas um senso de dever convincente que surgiu da aterrorizante profecia de William Farel com a maldição: “Que Deus amaldiçoe seus estudos, se no tempo da necessidade, você se recusa a ajudar sua igreja”. Sem a palavra de advertência de Farel, Calvino provavelmente nunca teria pensado em assumir o trabalho pastoral.

4. Lutero, o pastor, e Calvino, o professor

Outra diferença, ligada à personalidade deles, foi a maneira como eles ganharam favores entre as pessoas. O pessoal da fábrica sentia-se oprimido pelo caráter maior que a vida de Lutero. Ele tinha uma presença enorme e era certamente o que chamaríamos de figura "carismática" ou "dinâmica". Multidões reuniram-se a ele devido ao seu jeito. Mas os admiradores de Calvino eram muito mais propensos a elogiar seu intelecto do que sua personalidade. Ele ganhou seguidores porque sua mente estava concentrada apenas na glória de Deus. Enquanto lemos os sermões dos dois homens, as reflexões de Calvino são direcionadas muito mais para o intelecto e a razão do que as de Lutero. Mesmo no púlpito, Lutero sempre foi um homem "de coração", mais preocupado com as criadas e as crianças do que com os médicos de sua congregação.

5. Estatura

Nos retratos que nos foram entregues, há uma clara divergência quando falamos sobre a aparência física de Lutero e Calvino. Lutero, pelo menos nas pinturas de seus anos mais maduros, é corpulento e com peito largo. Ele parece ter sido um "grande homem" dentro e fora do púlpito, como George Whitefield. Sempre há uma centelha de vitalidade nele. Por outro lado, a vida de Calvino foi atormentada por problemas estomacais contínuos, bem como uma série de outras doenças físicas. Ele nos parece um homem bastante frágil, extremamente magro e quase parecido com um cadáver (para usar a descrição do Dr. Martyn Lloyd-Jones). Na verdade, ele só comia uma refeição solitária por dia. A expressão no rosto de Calvino era continuamente sombria, pelo menos quando comparada a Lutero.

6. Justificação ou a glória de Deus?

É verdade que os dois homens eram apaixonados pela recuperação do Evangelho bíblico. No entanto, o prisma pelo qual eles interpretaram o Evangelho não era exatamente idêntico. Lutero colocou a maior parte de sua ênfase na gloriosa verdade da justificação do crente. Sua abordagem soteriológica enfatizou a necessidade subjetiva de fé salvadora e as doces alegrias de confiar em Cristo. Calvino certamente acreditava nisso tanto quanto Lutero; mas ele se esforçou para enfatizar que a justificação da fé só pode ficar em segundo lugar. Em primeiro lugar estava a glória de Deus. A verdadeira maravilha da justificação no pensamento de Calvino não foi que um pecador se viu perdoado de toda iniquidade, mas sim que Deus estava sendo glorificado pela salvação de um transgressor. Enquanto o ponto de partida de Lutero era a fé; o de Calvino foi certamente a graça do Criador / Redentor.

7. A Ceia do Senhor

Um dos tópicos principais durante os primeiros anos da Reforma foi a Ceia do Senhor. Em 1529, Lutero e Zwingli se dividiram sobre o assunto. Apesar da ruptura de Lutero com a interpretação romana da missa, ele mantinha uma visão sacramental do pão e do vinho, que estava totalmente ausente no pensamento de Zwingli. Onde Lutero viu Cristo miraculosamente e realmente presente “nas, com e sob” as formas dos elementos; Zwingli disse que a Ceia do Senhor não passava de um sinal ou símbolo para edificar os santos. De maneira alguma Jesus estava fisicamente presente. Era simplesmente um memorial. Então, de quem Calvino estaria do lado: de Lutero ou de Zwingli? Resposta: de ambos e de nenhum. Ele mediou entre os dois, aceitando que Cristo estava presente espiritualmente na Ceia do Senhor. O que Lutero interpretou como físico; Calvino viu como espiritual no coração dos crentes.

8. Igreja e Estado

Há um importante desacordo entre Lutero e Calvino em relação à relação entre Igreja e Estado. Isso foi sem dúvida devido aos seus contextos sócio-políticos peculiares. Morando na Alemanha Medieval, onde cada estado estava sob o poder de um determinado príncipe, Lutero - como regra geral - ficou muito feliz em permitir que o governo supervisionasse a administração dos assuntos da igreja. João Calvino, no entanto, um ex-graduado em Direito estabelecido no sistema dos lugares mais livre da Suíça se opôs a qualquer interferência do Estado. É a igreja e somente a igreja que deve administrar seus assuntos internos e externos. Tanto a igreja quanto o estado devem permanecer totalmente autônomos um do outro. Calvino também estava mais aberto à ideia de que os crentes transformavam toda a sociedade com os valores das Escrituras, enquanto Lutero sempre se apegava ao seu chamado totalmente religioso e espiritual.

9. Batismo

Mesmo que seja verdade que Lutero e Calvino acreditavam no batismo infantil, seus entendimentos a respeito de sua eficácia eram ligeiramente diferentes. A visão de Lutero sobre o batismo é que é um evento, um sacramento, que realmente salva quem é batizado - seja adulto ou criança. O Espírito Santo é dado a uma pessoa no batismo para que ela possua verdadeira fé em Cristo. O pecado é perdoado, a morte e o diabo são conquistados e a vida eterna é concedida (Catecismo Menor IV). Calvino, apesar de apreciar as ideias de Lutero, viu o batismo como um mero sinal externo pelo qual alguém foi enxertado na igreja visível. Essa entrada na abençoada sociedade do povo de Deus era um presente manifesto da graça. O batismo, para ele, não salva efetivamente ninguém.

10. Lei e Evangelho

O final de nossas dez diferenças entre Martinho Lutero e João Calvino tem a ver com os tópicos quentes da Lei e do Evangelho de Cristo. A discrepância não era tanto uma questão de conteúdo, mas sim de ênfase. Ambos acreditavam no uso civil, pedagógico e normativo da lei; apesar da abordagem de Lutero em relação à lei ser muito mais negativa do que a de Calvino. Ele dividiu-se muito mais nitidamente entre eles do que seu colega francês. Por quê? Porque Lutero colocou sua maior ênfase na Lei como um meio de miséria, condenação e um ministério da morte do qual a humanidade precisava da libertação do Evangelho. Se a verdade fosse dita, Calvino estava tão convencido quanto Lutero dessa verdade; no entanto, ele estava muito mais disposto a sublinhar o aspecto positivo da lei com relação à santificação do crente. Visto que a Lei é uma expressão perfeita da vontade abençoada de Deus, é correto que os santos se regozijem na Lei do Senhor.

veja também