Retiro espiritual reafirma compromisso para evangelismo de 2011

Retiro espiritual reafirma compromisso para evangelismo de 2011

Atualizado: Quarta-feira, 15 Dezembro de 2010 as 9:10

“Maranata”, exclama o pastor. “O Senhor logo vem”, a platéia responde em alta voz. O pastor devolve perguntando: “O Senhor logo vem porque sou...” Todos se levantam e socam o ar com o braço direito gritando: “Gideão”, completando o grito de guerra. Com esta saudação, mais de 160 pessoas dos 300 de Gideão, lideradas pelo pastor Paulo Bif, evangelista da Associação Sul-Riograndense, sede administrativa da Igreja Adventista em Porto Alegre, RS neste fim de semana passado, se reuniram para o último retiro espiritual do ano na cidade de Torres, RS.

 O evento teve uma programação de três dias e contou com a presença de pastores da região e do evangelista da Igreja Adventista para oito países sul-americanos, pastor Luís Gonçalves. Com objetivo de testemunharem das bênçãos recebidas, adolescentes, jovens, adultos e idosos, partilharam experiências, participaram da cerimônia da Ceia do Senhor e do batismo de duas pessoas na manhã de sábado, além de reafirmaram seu compromisso com o evangelismo para 2011.

Os 300 de Gideão é um projeto evangelístico idealizado pelo Pr. Paulo Bif em  2008 e que consiste em envolver a igreja no evangelismo de uma maneira prática. Depois de passar muito tempo evangelizando e batizando muitas pessoas, ele percebeu que poderia ir além e motivar os membros da igreja a evangelizar também. O nome do projeto é baseado na história bíblica de Gideão (Juízes 6 e 7), líder israelita que sob a orientação de Deus separou 300 dos seus melhores guerreiros para a batalha contra os midianitas, povo que oprimiu Israel por sete anos. Gideão, chamado pelo Anjo de Deus de homem valente, liderou os 300 à vitória.

Histórias dos “gideões” modernos - O casal Osmir e Oní Pereira participam do projeto e coordenam reuniões de estudos bíblicos com um grupo de irmãos e amigos. “Nosso pequeno grupo agora já é uma igreja e eu sou muito feliz com os irmãos que falam a verdade sem pregar com seu modo de vida. Através dele, conseguimos levar nove pessoas de uma família ao batismo”, relata o irmão Osmi.

A irmã Romilda Hartwic, 73 anos, vive na cidade gaúcha de Pelotas e trabalha há 12 anos na ASA, Ação Social da Igreja Adventista, e dirige um pequeno grupo com as pessoas atendidas.  Membro ativa dos 300 de Gideão, ela afirma que, quando a pessoa permite, Deus faz grandes coisas por meio dela. “No momento em que a gente realmente se entrega nas mãos de Deus, coisas surpreendentes e inesperadas acontecem”, declara.

Já o casal Cláudio e Lourdes Lima, “gideões” há pouco mais de um ano, inovaram e criaram uma classe bíblica que funciona uma vez por semana, no salão de estética que possuem na cidade de Guaíba, RS, onde reúnem alguns de seus clientes, após o expediente.

A reportagem da ASN - Agência Sul-Americana de Notícias, conversou com o pastor Paulo Bif. Formado em Teologia pelo Centro Universitário Adventista de São Paulo, Unasp campus II em 2001, pastoreou igrejas em quatro regiões no sul do Brasil e em 2009 assumiu o departamento de Evangelismo da Associação Sul-Riograndense. É casado com Rogéria Fontana Bif com quem tem dois filhos, Matheus, 14 e Sarah, 10. Na entrevista concedida ao Pr. Luís Gonçalves, ele conta das alegrias e desafios conquistados pelos valentes que aderiram ao projeto.

Como se iniciou o Projeto 300 de Gideão e por quê?

Pr. Paulo Bif: Desde que iniciei meu ministério pastoral, eu sempre tive o propósito bem firme de evangelizar. Com ajuda de um ou dois irmãos fazia séries evangelísticas de 30 e 40 noites. Batizava muita gente e me sentia feliz, mas faltava algo.

O que era?

Pr. Paulo Bif: Eu só descobri o que era ao ler no livro Serviço Cristão, da escritora Ellen G. White, na página 59, que diz assim: “Muitos teriam boa vontade de trabalhar, se lhes ensinassem a começar. Necessitam ser instruídos e animados. Toda igreja deve ser uma escola missionária para obreiros cristãos”. Isso me incomodou. Na verdade, eu não estava cumprindo com meu papel de pastor, porque muitos querem, mas precisam de incentivo e cabe a mim, ensinar e motivar estas pessoas para o trabalho. Em minhas leituras me deparei com a frase “É plano de Deus empregar humildes instrumentos para atingir grandes resultados”, do livro O Grande Conflito, da mesma escritora, página 171 e com o versículo 27 do capítulo 1 de I Coríntios, “Deus escolheu as coisas loucas do mundo para envergonhar os sábios e escolheu as coisas fracas do mundo para envergonhar as fortes”. Então eu olhei pra igreja e observei as pessoas mais simples, que não têm tantos recursos, não tem faculdade, mestrado ou doutorado e procurei trabalhar com elas, treinando e motivando-as a se envolverem em pequenos grupos de oração e testemunho e a darem estudos bíblicos para amigos não-adventistas. Assim foi implantado o primeiro grupo dos 300 de Gideão. Era o ano de 2008, e eu cuidava das igrejas nas cidades de Alvorada e Viamão, RS, começamos com 30 irmãos valentes daquela região.

Como estes primeiros “gideões” se saíram?

Pr. Paulo Bif: Os primeiros 30 valentes eram simples mesmo, mas os mobilizei para que conseguissem grandes coisas. Comecei incentivando cada um a liderar uma pequena igreja e separá-la em Duplas Missionárias com intuito de evangelizar 10 pessoas e levá-las ao batismo em um ano. Somando um total de 300 pessoas. Este foi o primeiro ano do meu ministério em que eu não alcancei meu alvo, mas ao final estava muito mais feliz do que antes. Os 30 encerraram 2008 vitoriosos, levando ao batismo 293 pessoas!

Cerca de 800 pessoas compõem o grupo dos 300 de Gideão. Desde que o projeto foi implantado até agora. Como se deu este crescimento?

Pr. Paulo Bif: Ao assumir o departamento de evangelismo na região, meu presidente, o pastor José Elias Zanotelli, me desafiou a implantar o projeto em mais igrejas das cidades da redondeza, e isto me animou. Além das cidades de Alvorada e Viamão, consegui que mais de quatro grupos de igrejas em cidades circunvizinhas aderissem ao projeto. A paixão por evangelismo demonstrada pelos seus quatro líderes foi o único critério usado para a seleção delas. Em 2009 estes pastores andaram uma milha a mais e foram “além do dever”, um dos slogans do projeto. Eles vivenciaram juntamente com seus valentes liderados, experiências marcantes de crescimento espiritual. Estas igrejas, nos últimos anos, registraram pouquíssimos batismos. Juntas levavam uma média de 30 pessoas por ano. Somente no primeiro ano, os membros envolvidos no Projeto 300 de Gideão alcançaram e trouxeram para a igreja mais de 640 pessoas. Em 2010, mais doze líderes e suas igrejas se uniram ao projeto! 

veja também