Rev. Tony Cooke: Reflexões sobre escândalo na Igreja

Rev. Tony Cooke: Reflexões sobre escândalo na Igreja

Atualizado: Terça-feira, 21 Dezembro de 2010 as 8:57

O que acontece quando a escândalo na igreja? Não pretendo ser crítico ou condenar qualquer indivíduo, mas é simplesmente para nos lembrar da seriedade do nosso testemunho cristão, especialmente para aqueles em posições de liderança e responsabilidade na igreja.Recentemente recordei-me da história muito sóbria do pecado de Davi e as consequências daí resultantes. Sabemos que Davi recebeu perdão (2 Sam. 12:13), e agradeceu a Deus por isso. Se não fosse a misericórdia de Deus, onde estariamos qualquer um de nós? Embora Natan tenha pronunciado o perdão de Deus para com Davi, havia também algumas consequências muito forte articulada. Vejamos três deles:

1. Natan disse: “A espada nunca se afastará de sua casa”

(2 Sam. 12:10). Isso é preocupante! É importante entender que o perdão espiritual não elimina imediatamente todas as conseqüências de nossas ações. Se eu sair e roubar um banco amanhã, eu acredito que Deus me perdoe, mas os tribunais provavelmente não. Gostaria de constranger minha família e destruir a confiança que as pessoas depositaram em mim. A confiança é a moeda do ministério, e sem credibilidade, a nossa capacidade de influenciar a vida é muito reduzido. Sim, Davi recebeu perdão, mas os desdobramentos que ele experimentou social, relacional, e politicamente após o seu pecado foram enormes, terríveis, e ao longo prazo.

2. Deus não olha o pecado de Davi como um mero ceder à tentação, foi muito mais profundo do que aos olhos de Deus.

Em referência ao ato de desobediência de Davi, Deus disse: “… você me desprezou …” (2 Sam. 12:10). Deus toma a nossa obediência (e nossa desobediência) muito a sério e muito pessoal. Jesus disse: “Se me amais, guardai os meus mandamentos” (João 14:15). Deus nunca se impressionou com as nossas palavras, se nossas ações são erradas. 1 João 2:4 diz: “Aquele que diz:” Eu conheço-o, e não guarda os seus mandamentos é mentiroso e a verdade não está nele. “Antes havia uma Grande Comissão, houve um Grande Mandamento , e que envolve a amar o Senhor nosso Deus com todo nosso coração, alma, mente e força. O verdadeiro amor de Deus produz obediência a ele.

3. Outra afirmação muito séria é, “… por este ato tenha dado ocasião para que os inimigos do Senhor venha blasfemar …”

(2 Sam. 12:14). Sabemos que o Evangelho é verdadeiro se um ministro em particular vive certo ou não, mas a sociedade como um todo tende a julgar a mensagem pelo mensangeiro. Quando Paulo falou daqueles que pregam uma coisa e vivem outra (Romanos 2:21-24), ele acabou com as observações: “Porque o nome de Deus é blasfemado entre os gentios por causa de você”,

A partir de Mateus 18:06, Jesus começa a falar sobre “ofensas”, e ele aborda as consequências muito graves de ofender “um destes pequeninos.” As palavras (usado seis vezes nestes poucos versos) traduzida por “ofender” e ” ofensa “são” skandalizo “e” scandaloon “em grego. Isto é onde nós começamos nossa palavra em Inglês, “scandal” (escandâlo).

Os comportamentos escandalosos dos cristãos trazem ofensas e fazem as pessoas tropeçarem. Isso desanima e confunde recêns convertidos ou seja os “cristãos bebês”, aliena aqueles que têm vindo a considerar o cristianismo, e dá ocasião para que os inimigos do Senhor venha blasfemar.

Devemos ser os defensores da misericórdia e da restauração (Gálatas 6:1, Tiago 5:19-20). Estou simplesmente resumindo o que foi uma forte lembrança para mim, da seriedade da nossa vocação e o mandato que temos de abraçar o quanto viver piedoso, se quisermos pregar o evangelho. Este não é o momento de se levantar em juízo contra os outros, é um tempo para analisar nosso próprio coração em temor a Deus.

Advertências para ir contra o pecado. Quando Caim estava com raiva e inveja de Abel, Deus disse: “Você será aceito se você fizer o que é certo. Mas se você se recusar a fazer o que está certo, então cuidado! O pecado jaz à porta, ansioso para controlá-lo. Mas você deve dominá-la e ser seu mestre “(Gn 4:7, NVI)

Mesmo Paulo, que estava espiritualmente desenvolvido, não confia em sua carne. Ele disse: “Antes subjugo o meu corpo, e o reduzo à servidão, para que, pregando aos outros, eu mesmo não venha de alguma maneira a ficar reprovado.” (1 Cor. 9:27). As palavras de Spurgeon também são um anel de verdade ainda hoje: “Qualquer chamar um homem pode fingir que tem, se ele não foi chamado à santidade, certamente ele não foi chamado para o ministério.”

Alguém descreveu o poder enganador e destrutiva do pecado desta maneira: “O pecado vai levar você mais longe do que você quer ir! O pecado vai mantê-lo mais do que você quer ficar! O pecado vai lhe custar mais do que você quer pagar!

Dizer “NÃO”, dizendo “Sim”

Acredito que nossos destinos são principalmente formados, não pelas circunstâncias que encontramos, mas pelas escolhas que fazemos. O nosso caráter e futuro são moldadas, em sua maior parte, por aquilo que dizemos “não”, e o que nós dizemos “sim”.

Abraão disse “NÃO” para a riqueza de Sodoma, e o “SIM” para as promessas de Deus.

José disse “NÃO” à mulher de Potifar, e “SIM” para o serviço fiel.

Moisés disse: “NÃO para os tesouros do Egito, e o” SIM “a uma atribuição celestial.

Eliseu disse: “NÃO” à prata de Naamã, e “SIM” à integridade altruísta.

Daniel disse “NÃO” para iguarias do rei, e “SIM” a consagração divina.

Neemias disse “NÃO” para comprometer as negociações, “SIM” à inabalável persistência.

Paulo disse “NÃO” a ser um incômodo para as igrejas, e “sim” ao amor sacrificial.

Jesus disse “não” ao conforto, e “sim” à cruz.

Jesus espera-nos a dizer um forte “sim” e um claro “não”. Tanto ele quanto Tiago disse: “… deixe o seu ‘sim’ ser ‘Sim’, e que seu ‘não’ Não. ” Se nos encontramos rasgadas ou tentado, quando se trata de fazer a coisa certa, é importante que nós voltamos para os nossos valores fundamentais e nos lembrar de que Deus nos chamou para ser. Roy Disney, disse: “Não é difícil tomar decisões quando você sabe quais são seus valores.”

Quando você parar e pensar sobre ele, mesmo o Natal é um “não” e “sim” proposição. No presépio, Deus estava dizendo “não” ao nosso desespero, o nosso abandono, a nossa morte e nossa destruição. Ele estava dizendo “sim” a nossa esperança, nossa salvação, nossa reconciliação, e a nossa ressurreição. Graças a Deus que Ele disse “sim” de forma clara e inequívoca!

Rev. Tony Cooke

Traduzido por: Portal Padom

veja também