Órfãos recebem novas famílias no Haiti

Órfãos recebem novas famílias no Haiti

Atualizado: Terça-feira, 31 Agosto de 2010 as 8:13

 Desde o terremoto de Janeiro, uma crise de órfãos cresceu no Haiti em instâncias fora de controle. Segundo a UNICEF, existem cerca de 230 mil crianças desacompanhadas nos campos de alívio. Milhares de crianças foram deixadas sem lar e sem família.

Enquanto muitas organizações de ajuda não pretendem permanecer no Haiti à longo prazo, alguns Ministérios continuarão por um longo período. Kids Alive International está fazendo sua parte para cuidar de algumas das milhares de crianças que foram deixadas sem ter para onde ir.

O programa Kids Alive no Haiti existe desde 2004. Desde então, ele tem crescido de forma constante. O terremoto em janeiro, porém, sacudiu o programa do Ministério, pois aumentou radicalmente o número de crianças que ele suporta.

"Nós tínhamos 31 crianças no início deste ano, mas quando o terremoto aconteceu, percebemos que isso foi realmente uma chance para as crianças e para as igrejas, devido à grande necessidade diante do que aconteceu", diz Jeff Vandermolen, vice-presidente de Operações para a América Latina da Kids Alive.

O ministério tem se reforçado para o desafio. Nos primeiros seis anos de ministério no Haiti, o programa reuniu 31 crianças. Nos últimos seis meses, o ministério mais do que duplicou o seu número, e cuida de 76 crianças. Apenas há poucas semanas atrás, o programa colocou 33 crianças de uma só vez, aumentando o seu tamanho em 100% desde janeiro.

Kids Alive tem uma abordagem única para cuidar desses órfãos. Em vez de ficarem em um orfanato ou um lar de crianças grandes, o Ministério tem procurado proporcionar a essas crianças um ambiente familiar real, colocando cada uma em um lar com pais cristãos e outros órfãos. Como o programa cresceu, recentemente esse molde foi quebrado.

No entanto, Vandermolen diz que o Ministério não vai mudar de tática. Ele acredita que o modelo de família é muito importante. "Isso é o que estamos fazendo com as novas crianças - colocando-as em famílias com um casal cristão e criando um lar para essas crianças que perderam familiares".

Em vez de mudar de direção, o Ministério teve que encontrar mais casas para cuidar das crianças. "Nós temos planejamento para abrir casas individuais. Já abrimos quatro novas casas nos últimos dois meses para receber essas crianças", diz Vandermolen.

Kids Alive também vai começar a construir um campus residencial com várias casas para estas famílias, para que todos vivam em uma comunidade.

Quando o projeto estiver concluído em 18 a 24 meses, deverá então haver espaço suficiente para 80-85 crianças para aprenderem, serem amadas e apresentadas ao Evangelho de Cristo.

As crianças que ficaram órfãs por causa do terremoto e entram no programa recebem um tratamento diferenciado. Vandermolen diz que o Ministério teve que atender às necessidades específicas. Eles percebem que estas crianças passaram por traumas significativos, e precisam de orientação através da igreja local. Para a maior parte, porém, o programa abrange memorizar as Escrituras, aprender sobre Cristo, e crescer como cidadãos cristãos.

Fonte e foto: MNN / Redação CPADNews

veja também