RJ:Pastoral de Combate ao Racismo da Igreja critica ação do governador

RJ:Pastoral de Combate ao Racismo da Igreja critica ação do governador

Atualizado: Segunda-feira, 6 Dezembro de 2010 as 11:15

A juventude da pastoral de combate ao racismo da igreja metodista divulgou uma carta de orientação e repúdio sobre as políticas de morte do governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral.

Leia a carta na íntegra:

Prezados Revdssimos, Revds,Revdssimas, Revdas, Leigos/as, Irmãos e Irmãs em Cristo, A Juventude da Pastoral de Combate ao Racismo vem se manifestar, contra o projeto de Morte do Governo Sergio Cabral, acreditamos que diferente da onda que a REDE GLOBO , A SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA do GOVERNO ESTADUAL-RJ, tenta fazer a população acreditar, onde o bem (Secretaria de Segurança Pública) e o Mal (traficantes) estão duelando em nosso estado, as coisas não acontecem dessa forma.

O que está por trás desses conflitos urbanos é uma reconfiguração da geopolítica do crime na cidade. Isso já vem se dando há algum tempo e culminou na situação que estamos vivendo atualmente. Não está em jogo a destruição da estrutura do crime, ela está se rearranjando apenas. O bem é a segurança pública e a polícia do Rio de Janeiro e o mal são os traficantes que estão sendo combatidos. Na verdade, isso é uma falácia. Não existe essa realidade. O que existe é essa reorganização da estrutura do crime.

A realidade do RJ exige hoje uma análise muito profunda e complexa e não essa espetacularização midiática, que tem um objetivo: escorraçar um segmento do crime organizado e favorecer a constelação de outra composição hegemônica do crime no RJ.

O mais drástico é que quem vai morrer nesse confronto é a população civil e inocente, que não tem acesso à comunicação, saúde, luz… Há todo um drama social que essa população vai ser submetida de forma injusta, arbitrária, ignorante, estúpida, meramente voltada aos interesses midiáticos, de venda de imagens e para os interesses de um projeto de política de segurança pública que ressalta a execução sumária. No Rio de Janeiro a execução sumária foi elevada à categoria de política pública pelo atual governo.

É uma política midiática de visibilidade de segurança no Rio de Janeiro e Brasil. A presidente eleita quase transformou as UPPs na política de segurança pública do país e quer reproduzir as UPPs em todo o Brasil. A UPP é uma grande farsa. Nas favelas ocupadas pelas UPSs podem ser encontrados ex-traficantes que continuam operando, mas com menos intensidade. A desigualdade social permanece, assim como o não acesso à saúde, educação, propriedade da terra, transporte. A polícia está lá para garantir o não tiroteio, mas isso não garante a não existência de crimes. Ao nosso ver, até agora, as UPPs são apenas formas de fachada de uma política de segurança e econômica de grupos de capitais dominantes na cidade para estabelecer um novo projeto e reconfiguração dessa estrutura.

Por isso acreditamos no poder restaurador da Igreja de Cristo, chamada nesse século e nesses dias para fazer a diferença, operar no meio do povo oprimido a transformação social, espiritual, econômica, política e cultural de um povo que está sofrendo e esse povo é negro e pobre, estamos vivendo esses dias terríveis, e a juventude da Pastoral de Combate ao Racismo da 1ª Região Eclesiástica manifesta atráves dessa carta sentimentos de compaixão, estaremos em oração pelo nosso povo, mas é certo que estaremos em ação, antes de tudo buscando a libertação do nosso povo, pois acreditamos que fomos chamados para uma missão em nossos dias, assim como Moisés e outros foram chamados naqueles dias para cumprir a missão de Deus nessa terra.

    Um Afroabraço!! Dayse Gomis e Cyro Garcia Juventude da Pastoral de Combate ao Racismo Igreja Metodista - 1ª Região Eclesiástica  

veja também