Robert Crumb fala à Folha de SP sobre sua versão ilustrada do primeiro livro da Bíblia

Robert Crumb fala à Folha de SP sobre sua versão ilustrada do primeiro livro da Bíblia

Atualizado: Quinta-feira, 17 Setembro de 2009 as 12

Crumb descansou no quarto ano. Antes, criou Deus, o paraíso, Adão e Eva. E viu que Eva era boa. Ou melhor, avantajada. Após extensa pesquisa, o cartunista Robert Crumb, 66, lança em outubro aquela que é considerada a principal publicação em HQ no ano. "Gênesis", versão ilustrada do primeiro livro da Bíblia, respeitou "palavra por palavra" do texto original. O livro deve sair logo depois no Brasil, pela Conrad.

O autor de "Fritz the Cat" e "Mr. Natural", símbolo da contracultura nos anos 60, conversou com a Folha por telefone na sexta-feira, com a voz tranquila e a ironia que lhe são características. Falou sobre o novo trabalho e sobre não saber (quase) nada de francês após 18 anos vivendo na França --mora no sul do país com a mulher, a cartunista Aline Kominsky-Crumb--, deu opiniões como sempre ácidas sobre sua terra natal, defendeu teorias conspiratórias e comentou o uso de sua obra. Veja trechos a seguir.

Folha - Foi difícil definir como desenharia Deus?

Robert Crumb - Bem, tive esse sonho em que vi Deus, em 2000. Foi intenso e vívido, teve efeito profundo em mim. Mas não pude olhar por muito tempo. A forma como o desenhei lembra só vagamente como era no sonho. Também me baseei em imagens de Deus na cultura ocidental, o patriarca de barba branca e expressão severa.

Folha - O sr. iniciou o projeto em 2005. Por que demorou tanto?

Crumb - Foi o maior projeto que já fiz. Pesquisei muito, fui detalhista. Cada página me tomou dois ou três dias, e eram mais de 200 páginas. Mas fiz outros projetos nesses quatro anos, houve interrupções... Como as colaborações com a Aline para a revista "New Yorker".

Folha - O quanto conhecia do texto da Bíblia antes disso?

Crumb - Não sou estudioso da Bíblia, ainda não conheço bem o resto dela, mas de certo me tornei estudioso do Gênesis. Li de perto para ter certeza de que tinha feito os desenhos direito. Vi meu trabalho como o de um ilustrador, não o de alguém que estaria tirando sarro do texto. Queria, como dizer, revelar o texto tanto quanto possível.

Folha - O sr. não quis tirar sarro...

Crumb - Não, eu não quis.

Folha -...mas há uma ironia intrínseca ao fato de ilustrar esse texto, que é fazer pessoas pararem para pensar no que está escrito, não?

Crumb - Sim, é verdade... No sentido de fazer pessoas pararem para pensar, existe sim.

Folha - Por que decidiu fazer isso?

Crumb - Estava com uma ideia de ilustrar o paraíso, e um agente sugeriu que, se eu fizesse todo o Gênesis, ele arrumaria uma editora que me daria muito dinheiro para isso. Falei: "Veja o que consegue". Depois de alguns dias, ele voltou e disse: "Consegui uma editora que vai pagar muita grana". E respondi: "OK, eu faço isso".

Folha - Como avalia a história?

Crumb - É uma história poderosa. A coisa toda, antes de ser escrita, foi mantida pela voz do homem. Algumas das histórias, com isso, perderam todo o sentido. Como a de Abraão, sendo um tipo de cafetão da própria mulher para o faraó do Egito. Isso é estranho. Minha conclusão é que eu não usaria o Gênesis como um guia moral [risos].

Folha - E o personagem Deus...

Crumb- É duro, severo, patriarcal e tribal. Cuida de sua tribo, os hebreus, que pressionam os outros. Diz: "Essa terra será sua, podem pegá-la". E eles a tiram das pessoas que já estavam lá, os cananeus. Isso é uma coisa tribal. Naqueles tempos, cada tribo tinha seu "deus mais alto". Quando conquista outra tribo, impõe ao outro povo esse "deus mais alto". Era comum.

Para continuar lendo, clique aqui .

Postado por: Felipe Pinheiro

veja também