Salmos - Gente Feliz (cap. 03)

Salmos - Gente Feliz (cap. 03)

Atualizado: Terça-feira, 14 Maio de 2013 as 8:54

 

Salmos: 3
 
1 Senhor, como se têm multiplicado os meus adversários! Muitos se levantam contra mim.
2 Muitos são os que dizem de mim: Não há socorro para ele em Deus.
3 Mas tu, Senhor, és um escudo ao redor de mim, a minha glória, e aquele que exulta a minha cabeça.
4 Com a minha voz clamo ao Senhor, e ele do seu santo monte me responde.
5 Eu me deito e durmo; acordo, pois o Senhor me sustenta.
6 Não tenho medo dos dez milhares de pessoas que se puseram contra mim ao meu redor.
7 Levanta-te, Senhor! salva-me, Deus meu! pois tu feres no queixo todos os meus inimigos; quebras os dentes aos ímpios.
8 A salvação vem do Senhor; sobre o teu povo seja a tua bênção.
 
 
Davi foge de Absalão.
 
O que lhe acontece é fruto de seu desatino em relação ao que fizera com Urias e  sua omissão em relação a Amnon e Tamar.
 
Mas ele sabia que havia sido perdoado por Deus, apesar das consequências inerentes de qualquer mau uso da liberdade.
 
E seus inimigos não se deram conta de que é Deus quem imputa e quem perdoa pecados.
 
Todo filho de Deus, apenas a Deus, presta contas quanto ao seu desvio no espírito, embora a muitos tenha de prestar contas por seus desvios de conduta.
 
O inimigo, Absalão, não percebe que ser corrigido por Deus não é o mesmo que ser abandonado por Deus, daí o equívoco de pensar que, sob correção divina, o sujeito está sem a proteção divina.
 
Mas Davi sabe da fidelidade de Deus às suas promessas para com os que o temem.
 
E arrepender-se é temer a Deus.
 
Por isso, mesmo sabendo de sua culpa, Davi clama a Deus por proteção, pois, sabe que Deus nos vê, quando arrependidos, a partir do perdão que estende e não a partir do pecado por que perdoa.
 
O arrependimento reabre a porta da oração, reabre o caminho ao santo dos santos, reabre o diálogo com Deus.
 
Davi descansa porque sabe que as ameaças, e a força do seu inimigo não são suficientes para alcançá-lo. Que seja o que for que tiver de lhe acontecer será de administração divina, e não da fúria do adversário.
 
A vida dos de Deus, só Deus administra, e, tantas vezes quantas necessárias for, Deus invadirá a história para fazer com que tudo redunde para o bem dos que o amam, dos que são chamados segundo o seu propósito.
 
Quanto aos inimigos que, ensoberbecidos, confundem justiça com vingança, Deus mesmo cuidará.
 
Davi sabe que pertence ao povo, à Igreja de Deus, e Deus salva e abençoa a sua Igreja.
 
 
A vida abundante aparece:
 
felizFeliz é o que sabe que Deus não fala pelos adversários, logo não confunde a voz dos adversários com a voz de Deus.
 
Feliz o consciente de que Deus o vê a partir do perdão que lhe outorgou e não do pecado que o fez carente de perdão.
 
Feliz o que sabe que o perdão de Deus retira todos os obstáculos que a desobediência havia erguido, de modo que toda a separação desaparece.
 
Feliz quem crê nessa fidelidade de Deus, pois, só quem assim crê, dorme apesar do cerco que se aparenta intransponível e do avanço adversário que parece irrecorrível.
 
Feliz é o que sabe que a vida dos de Deus só está à deriva de Deus e de ninguém ou nada mais.
 
Feliz o que entrega os adversários aos cuidados do Senhor.
 
Feliz é o que vive a partir da convicção de que Deus é o Salvador de seu povo.
 
 
Considerações:
 
Não importa quao terríveis sejam as circuntâncias que nos cercam, elas não falam por Deus.
Deus perdoa o pecador e esquece o pecado.
O perdoado, também, deve esquecer, sem perder o aprendido, porque há no passado o que só serve para gerar estátuas de sal.
Feita a oração de arrependimento, todas as demais orações estarão liberadas.
O amor de Deus e o amor a Deus lançam fora qualquer medo do que quer que seja.
 
 
- Ariovaldo Ramos
 

veja também