"Senti Deus mais do que nunca na prisão", diz cristã presa por evangelizar no Irã

Saman liderava uma reunião de jovens quando policiais invadiram a igreja e a levaram para a prisão.

fonte: Guiame, com informações da Portas Abertas

Atualizado: Quinta-feira, 15 Fevereiro de 2018 as 10:22

Imagem ilustrativa. Saman serviu por 14 anos em sua igreja até ser presa por evangelizar. (Foto: Reprodução).
Imagem ilustrativa. Saman serviu por 14 anos em sua igreja até ser presa por evangelizar. (Foto: Reprodução).

Saman se congregou e serviu a Deus em uma rede de igrejas no Irã. "Durante quase 14 anos, servimos o Senhor sem problemas. Tínhamos atividades na igreja quase todos os dias e nos fins de semana viajávamos para outras cidades, onde começamos novas igrejas. Nosso grupo cresceu bastante com a chegada dos novos cristãos", disse a evangelista.

Ela estava liderando uma reunião de jovens quando houve uma vistoria policial. Naquela noite, várias casas de membros da igreja foram invadidas. Darya, uma das jovens, estava em casa, mas ela não foi presa e aproveitou para destruir a agenda com contatos dos membros da igreja.

Samam acabou sendo levada para a cadeia, bem como outros membros de sua família. Ela passou 44 dias como detenta. "Na prisão eu senti Deus em minha vida mais forte do que nunca. Mas, ao mesmo tempo, senti-me mais distante. Em certos momentos, duvidava de sua existência. Minha maior dor era a preocupação com minhas irmãs", disse ela.

“Sempre que ouvia uma mulher chorando em algum lugar, parava e colocava meus ouvidos na parede tentando distinguir se eu estava ouvindo uma das minhas irmãs em perigo", ressaltou.

A vida depois da prisão

Depois que ele deixou a prisão, não pôde mais retornar a sua terra. Mesmo fora da prisão, as autoridades passaram a vigiar Saman. Visitar outros cristãos ou igrejas tornou-se impossível. Quando a pressão se tornou forte demais, ela decidiu fugir junto com alguns de seus colegas, membros da igreja que também passaram pela prisão.

Juntos, eles encontraram uma nova igreja local para visitar, mas não era o que eles esperavam. "Estávamos traumatizados pela prisão, mas quando partimos não havia ninguém para cuidar de nós, nos sentimos esquecidos pela igreja e também por Deus. Oramos, mas não como antes, lemos a Bíblia, mas achamos difícil receber qualquer coisa. Não havia nenhum cuidado sobre nós. Eles só nos pediram para servir", salientou a evangelista.

Aconselhamento

Foi então que Saman foi convidada a se juntar ao programa pós-trauma para ex-prisioneiros organizado pela Organização Portas Abertas. Durante a conferência de cinco dias, os presentes receberam lições práticas sobre traumas de várias maneiras, inclusive através de terapia artística. À noite, os pastores compartilharam o assunto sob uma perspectiva bíblica.

Saman diz que quer transmitir tudo o que aprendeu aos outros. "Durante este treinamento, todos os elementos se combinaram perfeitamente. A conferência foi tão boa que eu queria ter visto isso antes. Quero transmitir essa informação a outros iranianos na mesma situação", finalizou. O nome verdadeiro de Saman foi trocado por motivos de segurança.

veja também