Silas Malafaia discute temas polêmicos em programa de televisão

Silas Malafaia discute temas polêmicos em programa de televisão

Atualizado: Sexta-feira, 15 Outubro de 2010 as 10:48

Aborto, união homossexual e mudança de voto à presidência da República. Estes foram alguns dos temas discutidos no Programa do Ratinho, no SBT, nesta quarta-feira (13/10), com o psicólogo e pastor Silas Malafaia, que chegou a ser o mais comentado do mundo no twitter por causa de sua firme posição sobre essas questões polêmicas.

O primeiro assunto em pauta foi o aborto, responsável por levar mais de 3 milhões de mulheres a fazerem curetagem, cirurgia mais realizada pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Segundo levantamento do Instituto do Coração da Universidade de São Paulo, uma em cada cinco brasileiras já abortaram, um procedimento que pode gerar graves complicações.

O pastor Silas destacou algumas delas. “Pesquisas nos Estados Unidos revelam que as mulheres que abortam estão sete vezes mais propensas ao suicídio. De 30 a 50% delas passam a ter disfunção sexual; 65% são acometidas de depressão; e ainda estão três vezes mais propensas à internação psiquiátrica”.

Confira as principais partes da entrevista:

Ratinho: Por que o senhor é contra a legalização do aborto?

Pr. Silas: A sociedade rejeita o aborto, porque 99% dos casos são fruto de promiscuidade e irresponsabilidade. O ser que está numa mulher não é um prolongamento do corpo dela. Na gestação, o agente ativo é o feto, e o passivo, a mulher. É o feto que regula o líquido amniótico, e em alguns casos é ele que determina quando vai nascer.

Ratinho: Eu nunca tinha pensado por esse ângulo. Ninguém nunca tinha me dado uma resposta assim.

Pr. Silas: Tem uma frase que as feministas gostam de usar: 'Toda mulher pode determinar sobre seu próprio corpo'. Determinar indica responsabilidade. Mas o aborto é um ato de irresponsabilidade, pois o feto não é corpo da mulher. Ela não tem o direito de determinar sobre aquela vida [o feto] assim como pode determinar sobre cortar um cabelo ou uma unha do próprio o corpo. Não podemos apoiar qualquer tipo de argumento para o aborto. Geralmente as mulheres apelam para a prática abortiva por causa de pressão familiar, de namorado e amigos.

Ratinho: Um médico pergunta se o senhor é contra o aborto mesmo em caso de estupro ou de risco de morte da mulher?

Pr. Silas: Risco de morte é outra questão. É preciso dar preferência de vida. Já estupro, eu sou contra. Se não tem condições de criar, leve para a adoção.

Ratinho: Um internauta diz que é a favor do aborto porque cada um faz o que quiser da sua vida.

Pr. Silas: O feto não é prolongamento do corpo da mulher. Então não pode fazer [o que quiser com o feto]. O aborto é a coisificação da vida. Há uma inversão de valores. Devíamos amar as pessoas e usar as coisas. Mas estamos amando as coisas e usando as pessoas.

Ratinho: Outro internauta diz que é a favor, porque, se é ilegal, é problema da mulher que abortou.

Pr. Silas: Então faz o seguinte: tira as portas e as janela das casas. Assim facilita o roubo. Libera o aborto, e a sociedade vira uma bagunça. Toda a sociedade que não tem limites se autodestrói. O problema é que temos uma síndrome. Como passamos por um período de ditadura, tudo o que colocamos limites é qualificado como ditadura. Mas tem de haver limites.

Ratinho: O jornal O Dia publicou uma foto dos 600 outdoors que o senhor espalhou pelo Rio de Janeiro. Nele, está escrito: “Em favor da família e preservação da espécia humana. Deus fez macho e fêmea”. O senhor é contra os gays?

Pr. Silas: A questão não é ser contra os gays. A questão é ser a favor da família. Os gays são contra a família?

Ratinho: O internauta diz que na Bíblia fala que devemos amar o próximo e pergunta por que o senhor é tão cruel com os gays?

Pr. Silas: Uma coisa é criticar comportamento, que é o que eu faço. Outra é discriminar pessoas.

Ratinho: É verdade que o Conselho de Psicologia tentou cassar seu registro profissional?

Pr. Silas: Sim. Tudo por causa do grupo homossexual, que tentou tirar minha licença e ainda tirar do ar o meu programa de televisão. Não sou contra os gays, mas eles querem criminalizar quem é contra [seu comportamento]. Eles têm direito de ser [gay], e eu de ser contra.

Ratinho: É verdade que o senhor criticou Marina Silva?

Pr. Silas: Pior do que um ímpio é cristão que dissimula. Marina só deveria ter uma posição: ser contra o aborto. Mas ela “jogou para a torcida”. Ela disse que ia fazer plebiscito para ganhar apoio de evangélicos e não evangélicos.  

veja também