Sisterhood resgata a essência feminina colocada por Deus em cada mulher

Sisterhood resgata a essência feminina colocada por Deus em cada mulher

Atualizado: Sexta-feira, 8 Outubro de 2010 as 10:55

Elas são atenciosas, falam pausadamente, demonstram serenidade, simpatia e embora chamem a atenção por se apresentarem durante as reuniões sempre bem arrumadas, conseguem manter a harmonia e seriedade com roupas modernas e  discretas. Essas mulheres diferentes fazem parte de um grupo de membros da Igreja Universal do Reino de Deus chamado Sisterhood.

O grupo começou em dezembro de 2009, em Houston, Texas com 17 moças, sendo algumas casadas, outras solteiras. A ideia de reunir essas mulheres surgiu da escritora e filha do bispo Edir Macedo, Cristiane Cardoso e da colega dela, Evelyn Higginbotham, com o objetivo de resgatar a essência feminina colocada por Deus em cada mulher, mas que foi distorcida e disseminada por meio de ideias e comportamentos mostrados em produções cinematográficas de Hollywood, Estados Unidos.  “Assim como Hollywood tem usado seus poderes para degradar a nossa sociedade, nós podemos usar o poder que Deus nos deu para erguê-la. Se as moças forem ensinadas a como serem mulheres de Deus, então essa sociedade terá mães, esposas, filhas, colegas de trabalho, famílias e mulheres melhores que valorizam as coisas boas da vida. Moças que se guardam para o casamento, que sabem como cuidar de uma casa e ainda assim, seguirão suas carreiras sem precisar seguir as tendências ruins e sensuais da moda, mas as tendências de Deus”, explica Cristiane, no blog do grupo.

Porém, para participar deste seleto grupo, as membros e futuras ‘Pledges’- como são chamadas as iniciantes- têm de executar várias tarefas que envolvem atividades beneficentes, como por exemplo, visitas a asilos, hospitais e presídios;  afazeres no próprio lar, como preparo de refeições para família e organização de ambientes; leitura de livros cristãos e mensagens do blog da equipe; até o cuidado com a aparência, promovendo cortes de cabelos e maquiagens. As atividades são avaliadas pela responsável de cada estado, que são chamadas de ‘Big Sisters’.

Para a Anne Caroline, de 16 anos , a experiência de participar do grupo tem sido muito proveitosa e positiva. “O Sisterhood é incrível, tem me ajudado muito. Tenho aprendido a cozinhar, a ser mais organizada, responsável, a cuidar mais de mim, a ser diferente. Está sendo uma benção em minha vida. E o mais importante, é que está fazendo de mim uma grande mulher de Deus. São tarefas que eu sempre disse que iria fazer, mas nunca começava, mas o Sisterhood me ajudou a fazer todas elas em algumas semanas. Está sendo uma experiência incrível”, declara.

A mudança que o grupo promove pode ser percebida não somente pelas participantes, mas também pelos que estão a redor delas. “Meus amigos e minha família já perceberam uma diferença em mim e isso é só o começo. Eu vejo que estou crescendo e aprendendo a cada dia com as mensagens do blog e as novas tarefas que temos. O Sisterhood tem sido uma benção, eu sou muito grata por fazer parte dele”, afirma a jovem Lily Torneros, de 16 anos.

Após passar nos testes, as moças participam de uma cerimônia de gala, que acontece três vezes por ano, momento em que recebem homenagens de acordo com a transformação adquirida durante o período de avaliação. “Obviamente nós desejamos levar moças e mulheres a se tornarem mulheres de Deus exemplares. Mas isso só pode acontecer quando os princípios de Deus são vividos e valorizados acima de tudo que o mundo tem pra oferecer”, completa Cristiane.  

veja também