Sobre andar na luz

Sobre andar na luz

Atualizado: Terça-feira, 23 Novembro de 2010 as 3:13

Parece ser bastante comum relutarmos em trazer à luz o que verdadeiramente somos, pensamos, cremos e sentimos. Relutamos em dizer a alguém, não gosto, não gostei, não quero, não concordo, não acredito, não vou, não consigo, estou machucado, estou cansado, caí...

Agimos assim, em parte, porque nos condenamos a nós mesmos - somos alvo de nossos próprios preconceitos, exigências e legalismos -, em parte, também, porque tememos a exposição, a incompreensão, a rejeição, o julgamento, a crítica e a confrontação que vêm dos outros.

Esta atitude, em primeiro lugar, nos impede de viver na plenitude a experiência da comunhão. Sem transparência, sem confissão, não é possível experimentar a plenitude da comunhão, porque comunhão implica aceitação e quando eu não sou verdadeiro, inteiro diante do outro, o outro não me aceitará, porque nesse caso, a aceitação se torna uma impossibilidade; o máximo que o outro poderá fazer, enquanto me esforço para parecer ser o que de fato não sou, é aceitar aquilo que eu quero parecer ser.

Só quem se expõe sabe o que é ser amado. Apenas quem se expressa com autenticidade pode conhecer a genuína experiência de ser aceito. Se eu me escondo, me disfarço, dissimulo, me protejo, no fundo sempre saberei que o amor que porventura alguém me dedique é, na verdade, dirigido a uma outra pessoa, virtual, ilusória, falsa, inexistente.

Quando confiamos no amor de Jesus e nos lançamos à aventura de ser o que realmente somos, nos expomos, na verdade, à real possibilidade de sermos transformados segundo a vontade dEle e descobrimos que o amor das pessoas por nós não é reflexo do que elas pensam que somos, mas é reflexo do que Ele é.

Outra consequência da nossa resistência a sermos verdadeiros e transparentes, mesmo que isto implique expor facetas do nosso caráter, do nosso temperamento e da nossa história, das quais não nos orgulhamos, é que adoecemos. Adoecemos na alma, ficamos cansados, esgotados mesmo, perdemos a alegria, o prazer de viver, de conviver, tamanha a energia dispensada para parecer o que não somos, tamanho o esforço mental exigido para forjarmos uma atitude, um tom de voz, uma expressão, um sorriso, tamanha a fortaleza que precisamos erguer e defender para manter fora do alcance e da vista dos outros e, portanto, nas trevas, aquilo que, julgamos, seria motivo de nos rejeitarem, desprezarem e deixarem de confiar em nós.

Esquecemos que pessoas perfeitas não são confiáveis; não são confiáveis simplesmente porque não existem. Verdadeiramente atraentes são as pessoas perdoadas. Tornam-se atraentes por terem a leveza de quem se libertou da "opressão da opinião humana", como diz Dallas Willard, atraentes por estarem livres do pecado do orgulho, atraentes por causa alegria de simplesmente ser, atraentes porque livres do medo que acua, intimida e gera agressividade, atraentes pois, na medida em que simplesmente são, permitem que os outros simplesmente sejam.

Ed René Kivitz   é mestre em Ciências da Religião pela Universidade Metodista de São Paulo, escritor, conferencista e pastor da Igreja Batista de Água Branca, na Zona Oeste de São Paulo, tendo obras e pastorais publicados neste site:   www.ibab.com.br .

veja também