Sobre portas fechadas - por Mario Freitas

Sobre portas fechadas - por Mario Freitas

Atualizado: Segunda-feira, 18 Março de 2013 as 11:19

 

chaveTem coisa que parece uma espécie de “divina piada”. Se o assunto é espalhar a fé cristã pelo mundo, Deus deveria ser o maior interessado. Ou não?
 
Não deveria Ele aprovar toda ação que fosse para a expansão do Reino, para o bem do próximo e para promover a salvação?
 
Nesse caso, como explicar Atos 16:6? O texto afirma: “Paulo e seus companheiros viajaram pela região da Frígia e da Galácia, TENDO SIDO IMPEDIDOS PELO ESPÍRITO SANTO de pregar a palavra na província da Ásia”.
 
O que??? Não foi o diabo que impediu??? Não. De acordo com a Bíblia, foi o Espírito Santo.
 
Como pode o Espírito ter impedido o apóstolo de fazer algo tão nobre e necessário? Bem, é que era algo nobre e necessário a ser feito por outro alguém. E ele tinha outro nobre e necessário projeto de vida para Paulo, com menos movimento naquela altura, mais envio de cartas e a fundamentação para todo o pensamento cristão em todos os tempos a partir de seus punhos. 
 
Paulo precisava plantar igrejas em áreas do próprio império romano, regiões essas que se tornaram o alicerce da fé global para muitos séculos. Paulo precisou deixar preparada uma geração que manteria a igreja de Cristo viva após a morte dos apóstolos. 
 
Mas e a Ásia? A Ásia ficou como o desafio de hoje. É o maior desafio missionário da igreja atual.
 
Deus impediu Paulo para que permitisse a ida de William Carey à Índia. Paulo foi barrado para que Hudson Taylor pudesse ir à China. E é possível que a nossa própria geração continue se inserindo nesse projeto, pois a Ásia é grande que só ela!
 
Simples assim. Como diz o poeta Josué Rodrigues, “portas que se fecham são iguais às que se abrem, se abertas ou fechadas por Deus”. 
 
Mas que deve ter doído no missionário Paulo... Ah, isso deve!
 
 
- Mario Freitas
 

veja também