Sobre ser fiel no pouco - por Mario Freitas

Sobre ser fiel no pouco - por Mario Freitas

Atualizado: Domingo, 12 Maio de 2013 as 11:45

 

sementesAtualmente, Nathan Cherelus é um dos meus grandes amigos. Haitiano, eu o conheci em 2010, logo após o terremoto que assolou seu país. Sabe o camarada que só serviria para ser pastor? Pois é. Tem um coração gigante, um sorriso empolgante e um inquestionável amor por Deus e Seu Reino.
 
Após o terremoto, como sua igreja foi inteiramente danificada, em parte derribada, Nathan organizava seus cultos na rua em frente ao templo. Era emocionante e ao mesmo tempo engraçado. Naquele ano, toda vez que pregava em sua igreja, eu precisava parar o sermão duas ou três vezes para que os irmãos arrastassem suas cadeiras para trás, permitindo a passagem de carros na rua. Nem a chuva os desmotivava – a adoração era fantástica, e havia sempre boa resposta à pregação da Palavra. 
 
Além dessa igreja em Delmas 33, região mais central de Porto Príncipe, Nathan plantou outra igreja no acampamento Canaan, a mais de 40 km da cidade. Mais de 200 mil haitianos foram levados para essa região, os quais até hoje moram em barracas ou casebres de madeira, em condições de grande limitação. Em Canaan, tudo começou com uma tenda. Tudo muito simples, amarrado com cordas. E a igreja adorava. Essa é uma marca da igreja haitiana: dão a Deus o melhor, por pior que seja sua situação.
 
Visitei Nathan ontem à noite, em Camp Canaan. Fiquei emocionado. A nova igreja é linda: uma organização parceira, norte-americana, financiou a construção. Hoje, ele serve aquela assolada região com uma escola profissionalizante, uma creche, um hospital (em implantação) e vários outros projetos. O local parece um oásis em meio a um deserto pós-guerra. Tudo é lindo, limpo, construído com excelência. E a igreja tem crescido. É a igreja sofredora rompendo em fé, vibrante, triunfante, apaixonada. 
 
O que vem à minha mente? O texto de Mateus 25:21 – “...Servo bom e fiel; foste fiel no pouco, sobre o muito te colocarei”. Essa palavra nunca havia feito tanto sentido.
 
 
- Mario Freitas
 

veja também