Sobrinho de confeiteiro cristão se converte após ver o tio resistir a ataques LGBT

O confeiteiro Jack Phillips sofreu diversos ataques da comunidade LGBT e até ameaças de morte anônimas.

fonte: Guiame, com informações do Christian Post

Atualizado: Quarta-feira, 21 Novembro de 2018 as 9:28

Jack Phillips foi processado por um casal homossexual, ofendido por grupos LGBT e recebeu diversas ameaças anônimas, após se recusar a fazer um bolo para um casamento gay. (Foto: Lindsay Pierce/The Denver Post)
Jack Phillips foi processado por um casal homossexual, ofendido por grupos LGBT e recebeu diversas ameaças anônimas, após se recusar a fazer um bolo para um casamento gay. (Foto: Lindsay Pierce/The Denver Post)

O sobrinho do confeiteiro e designer de bolos do Colorado, Jack Phillips diz que se entregou a Jesus e voltou-se para a Bíblia, depois de ver seu tio resistir a ameaças de ódio e morte, quando se recusou a fazer um bolo de casamento entre pessoas do mesmo sexo.

A 'Alliance Defending Freedom', um grupo de advogados que representou com sucesso Phillips em seu caso da Suprema Corte a respeito de sua recusa por motivos religiosos em criar bolos personalizados para casamentos gays, apontou que o confeiteiro cristão recebeu "cartas de ódio, telefonemas desagradáveis ​​e ameaças de morte".

"Em determinado momento, Jack até recebeu uma ameaça de morte quando sua filha e neta estavam na loja. Ele os mandou se esconderem no fundo enquanto chamava a polícia. As ameaças ficaram tão fortes que a esposa de Jack, Debi, teve muito medo de entrar em sua própria loja", revelou o grupo jurídico.

Na época, Sean, sobrinho de Phillips, "não tinha um relacionamento pessoal com Jesus", disse a ADF.

Ele viu que seu tio estava disposto a arriscar a própria vida por sua fé, no entanto, e continuava a servir e se envolver com várias pessoas da comunidade, incluindo pessoas sem-teto.

A ADF diz que Sean ficou irritado e "chocado" com as mensagens odiosas enviadas contra seu tio.

"Mas ao observar e conversar com Jack, ele viu um exemplo de quem parece viver uma vida em obediência a Cristo", afirmou o grupo. "Com o tempo, Sean se libertou de sua raiva. Ele passou a ler a Bíblia para entender o conforto que Jack tinha em Cristo e como ele poderia suportar tais dificuldades com graça e paz. E, finalmente, Deus atraiu Sean para Si mesmo".

Hoje, Sean está "andando com Jesus" e "é um homem mudado", segundo o relato da organização.

Phillips disse que outros lhe disseram que suas vidas também foram mudadas e inspiradas por seu testemunho.

"Fomos abençoados ao ver inúmeros outros cristãos, que observaram o efeito deste caso em nossas vidas, se levantarem corajosamente e com maior confiança. Alguns não estavam de pé, e agora estão firmes nos ensinamentos de Deus", revelou o padeiro.

"Isso é profundamente encorajador para nós e acho que é uma das coisas mais bonitas que podem acontecer a qualquer pessoa em situação semelhante: saber que outras pessoas serão incentivadas e, por sua vez, encorajar outras pessoas. Isso realmente fez tudo isso valer a pena", acrescentou.

A Suprema Corte dos EUA decidiu, em 7 de junho, que "as objeções religiosas e filosóficas ao casamento gay são visões protegidas e, em alguns casos, protegem formas de expressão".

A apenas dois meses depois de sua vitória na Suprema Corte, no entanto, Phillips foi novamente levado a tribunal em agosto por se recusar a fazer um bolo com tema transgênero.

O caso refere-se a um incidente em que Phillips foi acusado pelo estado de Colorado de violar a lei ao se recusar a fazer um bolo celebrando uma transição de gênero.

"Depois que Phillips se defendeu até a Suprema Corte dos EUA e venceu, ele achava que a hostilidade da população do Colorado em relação à sua fé havia acabado. Ele estava errado", diz o último processo da ADF em nome da Phillips. "O Colorado renovou sua guerra contra ele ao embarcar em outra tentativa de processá-lo, em conflito direto com a decisão da Suprema Corte a seu favor. Esse processo é necessário para impedir a persistente perseguição do Colorado à Phillips".

veja também