"Sou técnico, não pastor", afirma o novo treinador do Grêmio

"Sou técnico, não pastor", afirma o novo treinador do Grêmio

Atualizado: Terça-feira, 8 Dezembro de 2009 as 12

Silas, 44 anos, o novo técnico do Grêmio, tem pressa. Quarta-feira, assim que assinar contrato e encerrar sua primeira entrevista coletiva, quer começar a definir a lista de quem sai e chega ao Olímpico.

Orientado pela direção, prefere não falar sobre reforços.

"É melhor trabalhar quietinho e só anunciar depois do contrato assinado", diz o técnico que participou ontem no Rio da escolha dos melhores do Brasileirão.

Nesta entrevista, Silas aborda o polêmico tema de sua religiosidade.

Evangélico "desde o berço", ele diz que sua religião jamais atrapalhou o relacionamento com jogadores.

No Olímpico, usaram os mesmos métodos para mobilizar os jogadores que ajudaram a classificar o Avaí para a Sul-Americana, após um assustador início de Brasileirão na zona de rebaixamento.

Zero Hora - Seu último título mais expressivo foi em 2001. Como encara o desafio?

Silas -  Quando cheguei ao Avaí, o clube não era campeão havia 12 anos. E não disputava Série A fazia 30 anos. Mas esse peso não era nosso. Em 2010, muitos jogadores que já estão no Grêmio ou chegarão nada têm a ver com esse peso do passado. Daqui para a frente, é vida nova, cada jogo é uma história diferente, vamos tentar ganhar tudo.

ZH - A cobrança aqui é muito forte, você deve saber.

Silas -  Mas não é diferente de Palmeiras, São Paulo, Corinthians.

ZH - Você tira proveito da carreira vitoriosa como jogador?

Silas -  Claro que sim. Mas, como treinador, também já disputei muitas finais. Série B pelo Fortaleza com o Castelão cheio. A final do catarinense contra o Figueirense, que estava na Série A. Como jogador, estive em finais contra o Barcelona, pelo São Paulo, decisão de Copa América e duas Copas do Mundo (1986 e 1990). Claro, isso não é suficiente, mas dá uma boa base para largar.

ZH - Como será trabalhar com Paulo Paixão?

Silas -  É um cara experimentado, que já escreveu uma história bonita e vai para seu segundo capítulo. Eu ainda vou para o primeiro. Jorginho falou muito bem dele. Kaká também falou (Silas e o meia assistiram a Real Madrid e Almeria).

ZH - Você faz treinos fechados?

Silas -  Depende do momento. Todos fazem, não apenas eu. Após a classificação à Sul-Americana, abri tudo. Entendo que a imprensa também precisa trabalhar.

ZH - Como evangélico, sua religiosidade entra no vestiário?

Silas -  A religiosidade fica fora de campo. Depois dos jogos, cada um faz a sua vida. Um baladeiro age tão errado como aqueles que tentam impor sua fé de maneira errada.

ZH - De onde vêm as críticas sobre a religiosidade excessiva?

Silas -  O futebol é um mercado muito lucrativo. Há 200 técnicos querendo trabalhar no Grêmio e 200 empresários por trás. E um monte de gente querendo que eu não vá para lá. Ficam falando essas bobagens.

ZH - Como era a divisão de religiões no vestiário do Avaí?

Silas -  Havia uns 10 ou 12 evangélicos. 80% eram católicos. Mas cada um respeitava o limite do outro.

ZH - Então a religiosidade não entrará no vestiário?

Silas -  Ricardo Rocha já dizia muito bem que conhaque é conhaque e trabalho é trabalho. Chego para ser o técnico do Grêmio, não para ser um pastor. Assim como Jorginho não quer ser nada além de um grande auxiliar para Dunga.

Postado por: Felipe Pinheiro

veja também